PREVISAO DO TEMPO

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Ministro da Justiça acompanha ação das Forças Armadas na Bahia


Ministro da Justiça acompanha ação das Forças Armadas na Bahia LÚCIO TÁVORA/AGÊNCIA A TARDE/AEFoto: LÚCIO TÁVORA / AGÊNCIA A TARDE/AEO ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, e o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, chegaram à Bahia na manhã deste sábado. Eles devem reunir-se com o governador do Estado, Jaques Wagner, para acompanhar as operações que o Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.

Pelo menos 53 pessoas foram mortas na onda de violência que atinge o Estado

Com o comércio fechado devido à onda de saques, Baixa dos Sapateiros é patrulhada por tropas do Exército

Com a greve dos policiais militares, deflagrada na última terça-feira, 53 pessoas foram mortas na onda de violência que atinge o Estado. Entre a sexta-feira e a madrugada de sábado, 29 pessoas morreram. A última aconteceu no bairro Plataforma, onde um homem ainda não identificado foi morto, por volta da 0h45min.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado, também na madrugada, uma loja de eletrodomésticos na região de Liberdade foi arrombada por um grupo de quatro pessoas. De acordo com a Secretaria, o grupo teria arrombado a loja, mas o saque foi feito por populares.

Além dos 2,8 mil militares do Exército, Marinha e Aeronáutica, estão sendo enviados cerca de 450 policiais da Força Nacional de Segurança Publica, ligada ao Ministério da Justiça. A chegada dos militares e policiais tem como objetivo garantir segurança da população e coibir eventuais ações criminosas.
 
Fonte: Agencia Estado

Governador da Bahia vê ligação de policiais grevistas com crimes


Governador da Bahia vê ligação de policiais grevistas com crimes LÚCIO TÁVORA/AGÊNCIA A TARDE/AE

Desde terça-feira, o Estado sofre com a paralisação parcial da Polícia Militar

Com o comércio fechado devido à onda de saques, Baixa dos Sapateiros é patrulhada por tropas do Exército

Foto: LÚCIO TÁVORA / AGÊNCIA A TARDE/AEO governador da Bahia, Jaques Wagner, disse acreditar na participação de policiais militares grevistas em homicídios e saques ocorridos em Salvador nas últimas horas. Desde terça-feira, o Estado sofre com a paralisação parcial da Polícia Militar.

— Parte dos crimes pode ser parte da operação montada, da tentativa de criar um clima de desespero na população para fazer o governo sucumbir, uma tentativa de guerra psicológica, como ocorreu recentemente em outros Estados, como o Maranhão e o Ceará — disse o governador, na manhã deste sábado.

— Não tenho dúvida que parte de tudo isso é cometido por ordem dos criminosos que se autointitulam líderes do movimento.

O governador também negou a possibilidade de anistia dos policiais militares que tiverem cometido atos de vandalismo ou violência durante a paralisação. A anistia é um dos itens da pauta de reivindicações tanto dos PMs grevistas (cerca de um terço da corporação, de 32 mil homens), quanto dos que continuam trabalhando.

— Não existe essa possibilidade, não vejo como anistiar, perdoar, o que quer que seja — disse.

— Isso seria como eu dizer a outros criminosos que amanhã ele pode ser anistiado.

O governador voltou a dizer, sem citar nomes, que a Justiça baiana já expediu mandados de prisão para 12 lideranças da greve — e que outros quatro já foram pedidos.

— Tenho certeza que a determinação judicial será cumprida — afirmou.

Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP), houve redução no registro de crimes ocorridos na região metropolitana de Salvador na madrugada deste sábado em comparação com a madrugada anterior. O número de homicídios, que havia sido de 18 entre a meia-noite e as 7h de sexta-feira, caiu para um nesta madrugada, segundo o primeiro balanço disponibilizado pela SSP. O corpo de um homem, ainda não identificado, foi localizado no bairro periférico de Canabrava.

Na sexta-feira, o último balanço da SSP na região metropolitana registrou 28 homicídios, dos quais 21 em Salvador — cidade que registrou, no ano passado, média de 4,2 assassinatos diários.

Arrombamentos e saques

Além do assassinato, foram registrados três arrombamentos em Salvador durante esta madrugada. Um supermercado do bairro do Ogunjá e a Colônia de Pescadores do Rio Vermelho foram saqueados. Uma loja de móveis do bairro do Cabula foi incendiada depois do arrombamento e o fogo comprometeu a estrutura do prédio de três andares localizado acima do estabelecimento. As quatro famílias que moram no local tiveram de deixar as casas.

No interior da Bahia, foram registrados ataques a tiros contra estabelecimentos comerciais em cidades como Paulo Afonso, no norte do Estado, e Barreiras, no extremo oeste. Nos dois municípios, todos os PMs aderiram à greve em assembleias realizadas na noite de ontem.

Em Barreiras, por exemplo, duas agências bancárias, uma loja de roupas, uma clínica médica e a sede da TV Oeste, afiliada da Rede Globo, foram atingidas por tiros. Não houve feridos ou saques, segundo a SSP.

Vitória da Conquista, no sul do Estado, também registrou estabelecimentos danificados por ação de vândalos. Lojas do centro da cidade e uma agência bancária tiveram as portas quebradas por pedras. Em Feira de Santana, segundo maior município do Estado, foram registrados três homicídios e, em Itabuna, um.

Fonte: Agencia Estado

Policiais e Bombeiros Militares do Rio de Janeiro devem entrar em greve.

SP: CmtG da PMESP fala sobre denúncias na ação no Pinheirinho

O comando geral da Polícia Militar emitiu, no final da noite desta sexta-feira, 3, uma nota sobre as denúncias de abuso que teriam sido praticados por policiais militares durante reintegração de posse na localidade conhecida como Pinheirinho, em São José dos Campos, no Vale do Paraíba. As denúncias vieram a público por meio do senador Eduardo Suplicy. Veja a seguir a nota da PM na íntegra:

"O Comando da Polícia Militar vem a público manifestar-se a respeito das denúncias apresentadas pelo senador Eduardo Suplicy sobre supostos atos de violência e abuso sexual contra moradores em São José dos Campos. Nos últimos dez dias, a Polícia Militar tem sido alvo de acusações mentirosas relacionadas ao apoio prestado na ação judicial de reintegração de posse em Pinheirinho, na Cidade de São José dos Campos. São vários boatos de que crianças morreram, pessoas desapareceram, pessoas essas que depois foram localizadas, encontram-se muito bem e até concederam entrevistas desmentindo essas acusações.

A Polícia Militar é uma instituição séria, honrada, tem como princípio o respeito aos direitos humanos e pauta suas ações pela legalidade, sempre na defesa da vida, da integridade física e da dignidade da pessoa humana. Não passamos a mão na cabeça de maus policiais, somos firmes na depuração interna. Na realidade, o que temos é uma ação que foi desenvolvida pela Rota, durante a proteção à cidade de São José dos Campos, que sofria atos de vandalismo, numa ocorrência de tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo.

Tudo aconteceu na madrugada do dia 23 de janeiro, no Campo dos Alemães, não em Pinheirinho. No local, três adultos foram presos e um adolescente, apreendido. Eles foram autuados em flagrante delito com uma espingarda calibre 12, mais de 2 quilos de maconha, 300 gramas de cocaína e 1.382 reais em dinheiro. Chama a atenção que nem os três adultos nem o adolescente, ou mesmo a advogada Aparecida Maria Pereira, que os acompanhava e figura no boletim de ocorrência como curadora do menor, tenham sequer mencionado qualquer abuso no ato da prisão, em São José dos Campos, só o fazendo agora, dez dias depois.

Repudiamos a forma como as denúncias foram feitas, mas não é por causa das mentiras de que a Instituição foi alvo que deixaremos de nos empenhar no esclarecimento sobre mais essa acusação, ora apresentada pelo senador Eduardo Suplicy. E fica o compromisso do comando geral, em respeito ao cidadão e dentro da transparência que nos é peculiar, de voltar a público para divulgar o resultado dessa apuração"

fonte: Diário de Grande ABC

LINK RELACIONADO: Moradora relata abuso sexual de PM na desocupação do Pinheirinho

BA: Justiça expede mandado para reintegração de viaturas - Grevistas afirmam que não vão entregar. Os ânimos estão exaltados na ALBA


A Justiça expediu no final da manhã de hoje (4) um mandado de reintegração de posse, no que diz respeito às viaturas apreendidas ilegalmente, por manifestantes ligados à Associação dos Policiais, Bombeiros e dos seus Familiares do Estado Bahia (ASPRA), em um dos acessos da Assembleia Legislativa da Bahia, localizada no Centro Administrativo.

A Secretaria da Segurança Pública ordenou que a ordem judicial fosse cumprida imediatamente, o que deverá acontecer no início desta tarde. Além da apreensão ilegal, os PMs manifestantes da ASPRA também furaram os pneus de algumas das viaturas.

A reportagem do Bocão News está na Assembleia Legislativa e por lá as informações são desencontradas e os ânimos estão exaustados. Não se sabe ainda o que será feito. No momento, segundo relatos, é o deputado estadual Capitão Tadeu está fazendo a interlocução pelo governo.

À nossa reportagem lideranças do movimento grevista afirmaram que tinham fechado um acordo para entregar as viaturas como forma de mostrar disposição de negociar com o governo estadual, contudo, após o pronunciamento do governador Jaques Wagner, de que não negocia com “vândalos”, os grevistas declinaram.



Em instantes novas informações



Foto: Roberto Viana // Bocão News


BA: Jequié PM's manifestam fardados pelos seus direitos

Cerca de 400 policiais e bombeiros militares participaram na manhã de sexta-feira (03) de uma caminhada nas principais ruas de Jequié, 365 km de Salvador.

De acordo com informações do blog Apuarema em Foco, a manifestação foi acompanhada por um carro de som entoando o hino da PM baiana, enquanto à frente do grupo manifestantes exibiam cartazes, com algumas de suas reivindicações, entre elas a criação de um plano de carreira, pagamento da URV, melhores condições de trabalho, respeito aos seus direitos, pagamento de adicionais de periculosidade e insalubridade.

Segundo a publicação, alguns policiais participaram do cortejo montado em motocicletas. Durante o percurso um policial do alto do carro de som anunciava que a greve não é contra a sociedade, “é um protesto contra o governo pelo não atendimento às nossas reivindicações”, explicavam.

fonte: Bocão News

BA: Desde a greve da PM 53 pessoas foram mortas em Salvador e RMS

A violência na capital baiana e região metropolitana aumentou com a greve da Polícia Militar. De acordo com dados divulgados no site da Secretaria da Segurança Pública, desde a última terça-feira (31) até a manhã deste sábado (04), 53 pessoas foram mortas em Salvador e RMS. E 25 pessoa foram vítima de tentativas de homicídios nestas regiões. No mesmo período, 153 veículos foram roubados nestas localidades.

Durante abordagens e incursões realizadas por policiais militares da 37ª CIPM (Liberdade), 24 pessoas foram detidas foram detidas na manhã de ontem. Eric da Silva Loiola, Raimundo Neves Caldas e Hebert Conceição do Nascimento, sãos acusados de saques e roubos na Avenida Lima e Silva.

Na quinta-feira (2), na Cesta do Povo da Feira do Japão, um adolescente foi apreendido e dez pessoas foram presas, entre elas Marcelo da Anunciação Lobo, 40 anos, foragido havia quatro anos do presídio. E na Cesta do Povo, no bairro da Caixa D’Água, cinco homens e dois adolescentes foram presos.

Nas abordagens realizadas na madrugada de ontem, foram apreendidos 150 cigarros de maconha que estavam com Paulo dos Santos, Jadson Luís de Silva e Laila Silva de Jesus. Todos foram conduzidos à 2ª DT.

fonte: Bocão News

BA: Policiais grevistas levam as famílias para Assembleia Legislativa

.Os policiais militares que ocuparam a sede da Assembleia Legislativa na última quarta-feira (1º) continuam acampados e não pretendem deixar o local. Na manhã deste sábado (4) a reportagem do Bocão News esteve no local e foi informada que os familiares dos policiais também chegaram ao Centro Administrativo.

A todo o momento, segundo lideranças do movimento, chegam doações para os grevistas. Ainda de acordo com informações locais, o deputado estadual Sargento Isidório (PSB), levou toda a família e se encontra com os manifestantes. “Nossas famílias estão aqui. Tem crianças, mulheres, gestantes, senhores e senhoras”, disse um policial grevista

Os grevistas afirmam que a maior preocupação até agora é com a postura do governo estadual, que segundo eles, deseja tirar as viaturas que impedem a passagem de carros para invadir a Assembleia e acabar com o protesto.

O governador convocou a imprensa para uma entrevista coletiva ao lado do ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso na Base Aérea nesta manhã. Em instantes a reportagem do Bocão News traz novas informações.
 
Fonte:

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Salva-vida da Capital fica sem reajuste

Os salva-vidas que atuam em Porto Alegre reclamam ter ficado de fora do aumento das diárias concedidas a todos os profissionais dessa área. A vantagem atingiu tanto os dos litorais Norte e Sul quanto os de águas internas de todo o RS; exceto a Capital. Como exemplo, os salva-vidas que atuam em Itapuã têm direito ao aumento, em torno de 75%. Já os profissionais do Lami, que fica em frente ao de Itapuã, não foram beneficiados com o reajuste. 

Fonte: Correio do Povo 04fev2012

Cpers propõe novo calendário para Piso

 Rejane: 'Estamos tentando dialogar'<br /><b>Crédito: </b>  vinícius roratto / cp memória

Direção da entidade rejeita proposta feita pelo governo Tarso Genro

Rejane: 'Estamos tentando dialogar'
Crédito: vinícius roratto / cp memória
Descontente com a proposta de parcelamento do reajuste salarial de 23,5%, feita pelo Palácio Piratini, o Cpers/Sindicato - entidade que representa os professores da rede estadual -, decidiu ontem propor um novo calendário para o pagamento do Piso nacional referente a 2011. Ainda sem rejeitar oficialmente a percentagem oferecida pelo governo do Estado, os professores vão decidir entre as duas propostas, na próxima assembleia da categoria.

A presidente do Cpers, Rejane de Oliveira, afirmou que o pedido de calendário foi feito durante um ano ao governo, sem qualquer resposta. "É nítido que o governo não caminha no sentido do pagamento, pelo contrário, cada vez mais cria um abismo entre o que é pago no restante do país. Por isso, o Conselho-Geral criou um calendário para a quitação desse débito", disse Rejane.

Ela explicou que a categoria quer reajuste sobre o salário básico, de 19% em maio, 14% em agosto e 10,64% em novembro, para assim chegar ao valor de R$ 1,187,37. A proposição do Cpers se contrapõe ao que foi proposto pelo governador Tarso Genro na semana passada: aumento sobre o salário básico de R$ 395, a ser repassado de forma parcelada em três vezes até fevereiro de 2013. "Se não querem discutir o pagamento do Piso este ano, que paguem o valor de 2011, estamos tentando dialogar, mas não aceitamos as justificativas apresentadas até agora", resume Rejane.

Uma assembleia geral dos professores está agendada para o dia 9 de março, em frente ao Palácio Piratini. Nos dias 14, 15 e 16 do mesmo mês deve haver paralisação nacional dos professores, para pressionar o Congresso a manter o custo-aluno do Fundeb (Fundo Nacional de Desenvolvimento para a Educação Básica) e não o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) como fator de reajuste do Piso nacional. O reajuste do custo-aluno tem se mantido acima da inflação. 
 
Fonte: Correio do Povo 04fev2012

Magistério

Marcando posição
A proposta de pagamento do Piso nacional, elaborada em reunião do Conselho-Geral do Cpers, servirá apenas para o sindicato marcar posição. Mesmo com boa vontade, não há possibilidade de o governo atender à reivindicação do pagamento de índice de 19% em maio; 14% em agosto; e 10,64% em novembro..

Apartes

A proposta do Cpers para o pagamento do Piso nacional foi elaborada dias após o governador ter afirmado, em atos no Interior e na Assembleia, que o Executivo terá recursos para investimentos. A afirmação será cobrada pelo sindicato.

Fonte: Correio do Povo 04fev21012

Coluna da TALINE OPPITZ
taline@correiodopovo.com.br

Magistério

Categoria não quer parcelar 23,5%

O Cpers/Sindicato não gostou da proposta de parcelamento do reajuste salarial de 23,5%, feita pelo Palácio Piratini, e decidiu ontem propor um novo calendário para o pagamento do Piso nacional referente a 2011. Ainda sem rejeitar oficialmente a percentagem oferecida pelo governo do Estado, os professores vão decidir entre as duas propostas na próxima assembleia da categoria. A entidade diz que a categoria vai insistir no calendário do Piso.

Fonte: Correio do Povo 04fev2012

Sede da associação de policiais da Bahia é lacrada por determinação judicial


Foto: Lunaé Parracho / AE

Sede da associação de policiais da Bahia é lacrada por determinação judicial Lunaé Parracho/AE       

 Com a paralisação dos PMs, militares assumiram o patrulhamento em Salvador

Integrantes da entidade também foram proibidos de realizar assembleias e reuniões

A sede da Associação dos Policiais, Bombeiros e dos seus Familiares do Estado Bahia (Aspra), entidade que deu início à paralisação parcial da Polícia Militar baiana, foi lacrada na tarde de hoje (sexta-feira), por determinação judicial. Segundo o Ministério Público, a solicitação para o fechamento da entidade havia sido feita para "garantia da ordem em Salvador e no interior do Estado".
De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública, a sede da Aspra estava vazia no momento do fechamento. Ainda segundo a SSP, com a determinação judicial, fica proibida a realização de assembleias e reuniões entre os integrantes da entidade.
Em declaração de três minutos, transmitida pelas emissoras de rádio e TV da Bahia na noite desta sexta-feira, o governador Jaques Wagner atacou o movimento grevista da Polícia Militar do Estado e tentou tranquilizar a população baiana. Na fala, o governador reconhece que o Estado passa por "momentos de intranquilidade", mas afirma que não há motivos para apreensão.
— Estou tomando todas as providências para garantir a segurança dos cidadãos — afirmou.  — Agi rapidamente e com rigor para conter um grupo de policiais que, usando métodos condenáveis e difundindo o medo na população, chegou a causar desordem em alguns pontos do Estado — disse Wagner. — Os contingentes da Força Nacional de Segurança, juntamente com as Forças Armadas, já estão nas ruas, para garantir a paz.
O governador afirmou, também, que a sociedade não pode "conviver com um movimento que já foi considerado ilegal pela Justiça" baiana. "Conclamo todos os profissionais da Polícia Militar a retomar seus trabalhos", disse Wagner, antes de listar alguns avanços que, de acordo com ele, seu governo deu à categoria.
— O governo sempre esteve aberto à negociação. Foi com democracia que garantiu conquistas como aumento real de salário, a compra de 3 mil viaturas e a incorporação de mais de 9 mil homens ao efetivo — contou. — Sei que não estamos na situação ideal, mas vou continuar trabalhando para melhorar as condições de trabalho da polícia na Bahia.
No final da mensagem, o governador atacou o movimento grevista.
— Não aceito que um pequeno grupo, de forma irresponsável, cometa atos de desordem para assustar a população — disse. — A PM da Bahia não pode permitir se transformar em instrumento de intimidação e desordem.

Fonte: ZERO HORA E AGÊNCIA ESTADO

BA: Marco Prisco - “O governo autorizou atirar para matar”

"O GOVERNO BAIANO AUTORIZOU ATIRAR PARA MATAR", DIZ LÍDER DOS GREVISTAS DA PM DA BAHIA.

Masco Prisco, coordenador da Associação dos Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra-BA), que está liderando a greve da Polícia Militar da Bahia, teve a prisão decretada, mas não foi preso. O Bocão News conseguiu contato com Prisco, que fez graves afirmações com relação ao governo do Estado. Ele considera um absurdo “justamente o governo do PT pedir a prisão de um dirigente sindical”. Mas ressaltou que seus advogados entraram com o pedido de habeas-corpus no Tribuna de Justiça da Bahia. Questionado se teria uma outra forma de resolver o problema, já que  os grevistas e o governo se mostram irredutível, ele foi enfático: “O meio é sentar e negociar. Se o governo não quer negociar, a intransigência então é do governo”. Prisco afirmou que houve a tentativa de capturá-lo nesta quinta-feira (2) à noite, na Assembleia Legislativa da Bahia: “Houve sim a tentativa de invadir para me capturar. Também tivemos a informação de que o governo autorizou atirar para matar para cumprir meu mandato de prisão”. Mas, salientou: “Só não invadiram a Assembleia porque nosso efetivo era bem maior. Mas poderia ter acontecido uma tragédia”.
 
fonte: Bocão News

DEPUTADO ESTADUAL CAPITÃO TADEU FERNANDES DIVULGA NOTA À IMPRENSA

GABINETE DO DEPUTADO ESTADUAL CAPITÃO TADEU FERNANDES
Salvador-BA, 1º/02/2012 – 14h15
NOTA À IMPRENSA
Há tempos venho alertando o governo para a insatisfação dos policiais.
Infelizmente, o governo tem demonstrado que não se interessa pela classe policial. Seus atos provam isso.
Hoje, diante desse clima de extrema insatisfação, querem culpar os policiais, mas na verdade o governo é o único culpado, porque discrimina e menospreza os profissionais de Segurança Pública.
Se o governo não respeita os direitos dos policiais, que moral ele tem para cobrar os deveres?!
Por tudo isso, quero afirmar que as reivindicações dos policiais são justas e necessárias e que o governo dê atenção a esses profissionais que arriscam suas vidas em defesa da sociedade.
A propósito, se o governo tivesse me ouvido quando diuturnamente aqui na Assembleia Legislativa luto para melhorar as condições salariais e de trabalho dos policiais, o governo não estaria passando por essa situação às vésperas do carnaval.
De minha parte, apoio todo esse movimento reivindicatório, por achar justo. Ou alguém acha aceitável aguardar quase 15 anos pelo pagamento da GAP V (Lei nº 7.145 / agosto de 1997)?
Aqui na ASSEMBLEIA LEGISLATIVA estou, como sempre estive, à disposição da nossa querida Polícia Militar.
Atenciosamente,
Capitão Tadeu Fernandes
Deputado Estadual – PSB

Fonte: http://abordagempolicial.com/

Segurança Pública

Soldado gaúcho ganha menos que o baiano, que está em greve

Praças da PM baiana fazem greve


A remuneração bruta total de soldados da PM na Bahia é hoje de cerca de 2,2 mil reais. Eles estão em greve. A partir de abril deste ano, o vencimento total de seu equivalente na Brigada Militar gaúcha será de 1,5 mil reais. A julgar pelo contracheque, a gestão petista de Jacques Wagner deveria fazer inveja a Tarso Genro.

 Ontem (2), feriado de Navegantes em Porto Alegre, foi um dia de caos em Salvador, que celebrava o Dia de Iemanjá. Houve saques no comércio e arrastões que assustaram os soteropolitanos. A Força Nacional de Segurança Pública foi acionada. O governador baiano estará em cadeia regional de rádio e TV à noite de hoje. O noticiário especula se haverá porto seguro no carnaval da Bahia.
 
A Justiça cumpriu conhecido roteiro: declarou a greve ilegal e impôs multa de 80 mil reais diários à entidade representativa dos soldados baianos. Os sargentos, subtenentes, tenentes e oficiais não estão em greve, mas são solidários aos soldados (e bombeiros) baianos.
 
Houve negociações de bastidores a evitar ontem o confronto de forças nacionais com os policiais militares que estão acampados na Assembleia Legislativa da Bahia. Seria um derramamento de sangue a hipótese de confronto.
 
Os grevistas reclamam o cumprimento de lei vigente, que prevê progressão no pagamento de uma gratificação por atividade policial (GAP). Também existe reivindicação para remunerar os policiais por meio de subsídio: na tabela proposta, o salário de um soldado baiano chegaria a 4,5 mil reais em 2014.
 
Nos pampas
 
Em 2011, o governo Tarso Genro encerrou, em setembro, negociações de reajuste salarial com praças da BM. Todos tiveram incremento de 91 reais no vencimento básico, o que significou maior percentual para soldados e cerca de 10% para um tenente. Justificativa? Quem ganha menos merece percentual maior. A ASSTBM assinalou contrariedade.
  
A retórica do Palácio Piratini resistiu pouco mais de um mês. Os oficiais da BM tiveram 10% lineares logo em seguida. Ganharam mais que tenentes na ponta do lápis, porque o reajuste, para oficiais, deu-se integralmente em janeiro – e não parcelado, como na negociação com praças. Capitães, além dos 10%, levaram ainda abono e uma nova FG.
 Tarso já ampliou o abismo salarial na BM.
  
No site da AsofBM, uma nota informa tabela de progressão salarial selada entre o governo e os delegados de Polícia. O chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, disse que “manterá o compromisso acertado em mesa de negociação com os Oficiais da Brigada Militar de voltar, imediatamente, a negociar, como repetimos aos senhores ad nauseam”.
A mensagem da AsofBM sugere, portanto, salário de 24 mil a um coronel da BM em 2018. Ou de 17,5 mil reais para um capitão da BM daqui a seis anos.

O governo disse ainda que pretende negociar com a Brigada Militar após concluir negociação salarial com a Polícia Civil - e não quer vincular negociações. O chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, sinalizou verticalidade de vencimentos aos brigadianos, mas ainda não apresentou proposta concreta.

Aos agentes policiais, o Palácio Piratini fez a primeira proposta: amplia o abismo entre o vencimento inicial de agentes e de delegados dos atuais 311% para 470%.

BA: Cidade em pânico por boatos de arrastão

Cidade em pânico por boatos de arrastão
Comércio fechado e a população apreensiva. Este foi cenário encontrado em vários pontos da cidade após rumores de que quadrilhas estariam promovendo arrastão em bairros comerciais e residências. Às 16 horas de ontem, o movimentado comércio da Avenida Sete estava de portas fechadas, assim como ocorreu na Barroquinha, Calçada e Liberdade. Apesar de comerciantes negarem ter presenciado toque de recolher, o medo diante dos boatos resultou em ruas desertas e baianos preocupados em chegar em casa com segurança. 
Os passos apressados da população evidenciavam o medo instalado na cidade. Desesperados, pedestres corriam balbuciando que a “situação está difícil”. “Vi muita gente correndo e falando que houve tiros e arrastão na Rua da Fruta do Relógio de São Pedro, mas aqui não presenciei nada. De qualquer forma, todos estão indo embora para não ficarem expostos”, afirmou um vendedor ambulante.
O segurança de uma loja de roupas da Praça da Piedade, Valter Santana, alertou que o policiamento só apareceu no local, após os boatos de arrastão. “Desde o início da greve, só passou duas viaturas aqui. Estamos indo embora, porque todos fecharam o comércio, senão ficaremos muito vulneráveis”, declarou.
Na região da Barroquinha, uma mulher presenciou o momento em que um grupo de adolescentes roubava bolsas de pedestres e corria pelas ruas. “Foi uma confusão horrível aqui, muita gente correndo e alertando os outros”, contou Aureliano de Souza, proprietário de uma loja no local. Além dos comérciosde bairros, lojas de grandes redes, como Casas Bahia, Extra e Bompreço, encerraram o expediente mais cedo.
Pelas redes sociais, internautas postaram depoimentos de que os shoppings da cidade também foram vitimados. No Shopping Iguatemi, pessoas foram trancadas em lojas da praça de alimentação. O Salvador Shopping fechou todas as lojas, assim como ocorreu no Center Lapa, Barra e Piedade, onde surgiram rumores de arrastão aos clientes. 
Bairros residênciais de comércios pequenos também foram sitiados por grupos de marginais. Em Pernambués, um grupo formado por 11 motociclistas, encapuzados e armados, assaltaram pessoas em pontos de ônibus e ameaçaram comerciantes a fecharem as portas. Denúncias de que um suposto grupo de policiais estariam aterrorizando a Paralela causou pânico na Avenida Luís Viana, sentido Aeroporto.
Passageiros foram obrigados a descer dos ônibus, que ficaram atravessados na pista, interditando o trânsito na região da entrada do Imbuí. A situação de medo instalou-se também em moradores e comerciantes de São Marcos e Cajazeiras, onde um grupo teria incendiado uma agência do Banco do Brasil.
Bancos também são alvos de atentados
Enquanto prosseguem os rumores sobre a greve da Polícia Militar (PM) baiana, os criminosos entram em ação. Na madrugada de ontem, quatro agências bancárias, de diferentes pontos da cidade, foram alvo de atentados. Os registros ocorreram em unidades do Largo do Tamarineiro, Barros Reis, Liberdade e Porto Seco Pirajá, onde homens armados atiraram contra as agências. A Delegacia de Repressão a furtos e Roubos (DRFR) é responsável pela apuração dos fatos. A polícia solicitou imagens de circuito de câmeras da região para identificar os vândalos. 
Segundo informações da polícia, o primeiro registro ocorreu em Porto Seco Pirajá, por volta das 0h30. De acordo com testemunhas, um veículo, de dados ignorados, teria parado em frente ao banco e um homem efetuou dois disparos contra os vidros da porta de entrada. Como todas as agências estavam fora do horário de funcionamento, ninguém ficou ferido durante os atentados.
Além das agências bancárias, vidros dos pontos de ônibus da Avenida Garibaldi, Ademar de Barros, Ondina, também foram alvejados durante a madrugada. Na manhã de ontem, os estilhaços de vidros estavam espalhados na calçada enquanto a população acreditava que seriam apenas fatos isolados.  
Congestionamento por toda parte
No final da tarde de ontem, o caos tomou conta da cidade. O fechamento simultâneo do comércio resultou em pontos de ônibus lotados e disputa por vagas em coletivos. Apreensivos, o assunto entre os soteropolitanos era a situação da cidade. “Nunca vi uma situação dessas. A polícia faz greve e a população é quem sofre. Estou desesperada tentando falar com meu filho, mas ele não atende. Só quero que ele chegue em casa com segurança para que eu tenha tranquilidade”, afirmou a vendedora, Luíza Machado da Silva, 29.
O engarrafamento instalado nas principais vias, travou cidade. A Avenida Antônio Carlos Magalhães, sentido Paralela, a região da Orla, na altura da Boca do Rio e Bonocô apresentaram trânsito parado. A mesma situação foi presenciada pela equipe de reportagem da Praça da Piedade à Ladeira da Fonte Nova.
Polícia Civil – Além do estado de greve decretado por parte do efetivo da Polícia Militar (PM), na tarde de ontem, a Polícia Civil afirmou que também deve aderir ao movimento. Segundo o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia (SINDPOC), Carlos Lima, às 9 horas de hoje será realizada uma assembleia geral da categoria para discutir a adesão ao movimento. Na pauta do encontro está as discussões sobre a avaliação da paralisação parcial da PM da Bahia. A assembleia será realizada na Associação dos Funcionários Públicos do Estado da Bahia, localizada na Rua Carlos Gomes, porém, o sindicato adiantou que não descarta paralisação da categoria. 
Municípios sitiados
No interior do Estado, as lojas do comércio fecharam as portas para evitar roubos. A ausência de policiais militares nas ruas de Feira de Santana causou um verdadeiro caos na cidade. A sensação de intranquilidade abriu espaço para o medo de sair de casa. Na manhã da última quinta-feira, vários arrastões foram registrados na cidade e há inclusive informações de pessoas baleadas no Hospital Geral Clériston Andrade. Além disso, houve informações de que lojas foram saqueadas e dois coletivos invadidos.
De acordo com site locais, em Feira de Santana, o Prefeito Tarcízio Pimenta solicitou ao General Gonçalves Dias a presença do Exército nas ruas. No Loteamento Monte Pascoal, bairro Calumbi, Jefe Mendes de Sena, deu entrada no Hospital Geral de Camaçari, após ser baleado por uma pessoa não identificada. Com ele, a polícia apreendeu um revolver calibre 38, que teria sido usado durante assalto a uma loja de celulares, situada na Avenida Sampaio, centro da cidade.
Além de Feira de Santana, cidades como Ilhéus, Vitória da Conquista e outras regiões do Estado. Em Itabuna, após assembleia realizada, ontem, em frente ao batalhão de polícia da cidade, a PM local também decidiu aderir ao movimento da greve. Mesmo antes do anúncio, o comércio do centro da cidade já havia fechado no final da tarde, após um grupo realizar arrastão contra comerciários e pedestres.
Em Porto Seguro a situação também ficou complicada. De acordo com informações do site Atlântica News, em decisão tomada em assembleia realizada no final da tarde de ontem, os policiais militares do 8º Batalhão de Polícia Militar de Porto Seguro também resolveram aderir à greve decretada ontem pela unidade militar de Salvador.
De acordo com a proposta aprovada por unanimidade dos presentes, a tropa ficará “aquartelada”, ou seja, na unidade militar, parada. Assim, não haverá policiamento nas ruas. Os grevistas apenas disponibilizarão três viaturas, cada uma com três homens, no regime de plantão, na unidade, para atender chamadas de urgência que ocorram. 

As informações são do Atlântica News. (DP)
Publicada: 03/02/2012 01:43| Atualizada: 03/02/2012 02:20 

BA: Força Nacional chega a Salvador com 150 homens para reforçar segurança

Reforço chegou a capital baiana por volta da 0h na Base Aérea. Eles chegaram após pedido do governo do estado que solicitou apoio.

Desembarcaram por volta da 0h na Base Aérea de Salvador cerca de 150 policiais da Força Nacional de Segurança. Eles chegaram à capital baiana após pedido do governo do estado, que solicitou apoio por conta da paralisação parcial da Polícia Militar. De acordo com informações do secretário de Segurança Pública, Maurício Barbosa, outros 500 policiais da Força Nacional de Segurança devem chegar à capital ao prazo de 48 horas.
Segundo o secretário, dois terços do efetivo da PM está trabalhando em todo o estado. A PM anunciou nesta quinta-feira o reforço no policiamento das cidades de Feira de Santana, a cerca de 100 km de Salvador, e de Ilhéus, no sul da Bahia. Outras unidades da PM foram deslocadas para os dois municípios por conta do clima de pânico da população.
Tensão
Em Salvador, diversos bairros tiveram suas lojas fechadas antes do horário normal nesta quinta-feira (2). A Avenida Sete de Setembro, localizada no centro da capital, onde há o maior número de lojas e centros comerciais da capital, os comerciantes também fecharam as lojas mais cedo.
Comerciantes fecharam a porta por medo de possíveis arrastões. O G1 entrou em contato com algumas delegacias que cobrem áreas como o Subúrbio e o Centro da cidade, mas a polícia nega que tenha registrado "arrastões". A paralisação de parte dos policiais militares da Bahia foi considerada irregular, de acordo com uma liminar expedida na manhã desta quinta-feira pelo juiz Ruy Eduardo Brito, da 6ª Vara da Fazenda Pública.
O juiz determina a imediata retomada das atividades pelos policiais vinculados à Associação de Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra), que decretaram greve. A multa estipulada para os policiais parados que não assumirem seus postos de trabalho é de R$ 80 mil.
O presidente da Aspra, Marco Prisco, disse por telefone que não foi informado sobre a liminar e que vai tomar providências legais para evitar a aplicação da multa.
Desde a madrugada de quarta-feira (1), sindicalistas filiados à Aspra ocupam a sede da Assembleia Legislativa, situada no CAB, em estado de greve. Na ocasião, Marco Prisco informou que os manifestantes só sairão do local após serem atendidos por algum representante do governo do estado.
Interior do estado
O Comando da Polícia Militar da Bahia informou que devido ao clima de tensão em Feira de Santana, em virtude da paralisação da PM na cidade, reforçou a segurança no município, que fica a cerca de 100 km de Salvador, e em Ilhéus, no sul do estado. Relatos de moradores de Feira de Santana informam que a cidade está sem transporte coletivo e que várias lojas do comércio foram fechadas, como forma de prevenção a saques.

O comando da PM informa que foram deslocadas viaturas da Companhia Independente de Policiamento Especializado (CIPE) Litoral Norte para Feira de Santana, e enviadas equipes da CIPE Cacaueira para Ilhéus, no intuito de garantir a segurança da população nas duas cidades.
Shoppings
De acordo com informações da Assessoria de Imprensa do Shopping Piedade, localizado no centro de Salvador, apesar dos boatos, não houve arrastão no local. O shopping funciona normalmente até às 21h. Já o Shopping Barra, localizado em bairro nobre de Salvador, os comerciantes foram orientados a fecharem as portas no início da noite desta quinta-feira (2). A assessoria do shopping informou que o funcionamento volta ao normal na manhã desta sexta-feira (3). De acordo com informações da assessoria de imprensa do shopping Iguatemi, a unidade fechou as portas mais cedo por medida de precaução.
Universidade suspende atividadesAtravés de nota, a Administração da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) informou que suspendeu as atividades da instituição nesta quinta-feira (2), após as 16h. De acordo com a universidade, "a medida foi adotada em função de fatos noticiados envolvendo a greve de policiais militares na cidade".

Greve
Desde a madrugada de quarta-feira (1), sindicalistas filiados à Associação de Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra) ocupam a sede da Assembleia Legislativa, situada no CAB, em estado de greve. Na ocasião, o presidente da associação, Marco Prisco, informou que os manifestantes só sairão do local após serem atendidos por algum representante do governo do estado.
Na manhã desta quinta-feira (2), a paralisação de parte dos policiais militares da Bahia foi considerada irregular, de acordo com uma liminar expedida pelo juiz Ruy Eduardo Brito, da 6ª Vara da Fazenda Pública.
O juiz determina a imediata retomada das atividades pelos policiais vinculados à Aspra, que decretaram greve. A multa estipulada para os policiais parados que não assumirem seus postos de trabalho é de R$ 80 mil.

SAMUEL INSUFLA OS POLICIAIS AO TRABALHO.

Na manhã de quarta-feira (01), em entrevista ao jornalista André Barros durante o Sergipe Notícias, apresentado na TV-Atalaia, o deputado estadual Capitão Samuel Barreto (PSL) falou sobre os problemas enfrentados pelos policiais.

Sobre a relação à ausência dos policiais no Pré-Caju, o parlamentar disse que não deu incentivo à ação. “Na verdade, há uma falta de policiais civis e militares em Sergipe. Há vários anos tentamos evitar problemas, mas os presidentes das entidades não aguentam mais promessa. As autoridades vivem protelando a solução das questões. Jamais incentivei a categoria a prejudicar a sociedade. Pelo contrário, eu insuflo para trabalhar mais, como fiz no Pré-Caju, no show de Rita Lee, no Projeto Verão”, afirma.

De acordo com o deputado, o efetivo da polícia responsável pela segurança é insuficiente e, por conta disso, muitos precisam fazer hora extra. Diante das promessas não cumpridas, a categoria acabou se revoltando e decidiu que não trabalharia mais fora da escala. Outro problema levantado por Samuel é a irregularidade das viaturas. “70% delas apresentam problema. Não sei o que está faltando para providenciar a licenciatura. Com a palavra, os gestores”.

Questionado sobre o posicionamento do governador Marcelo Déda (PT) em relação ao “boicote” dos policiais no Pré-Caju, Samuel diz que “o governador pode ficar da forma que bem entender. Acho que um diálogo resolve tudo. Sem comunicação não haverá solução para os problemas. Algumas atitudes tomadas não são suficientes para resolver tudo que a categoria tem passado”.

Segundo o parlamentar, os policiais sequer podem marcar uma viagem com a família, pois os mesmos não têm férias. “A nossa classe precisa de mais respeito. Todos elogiaram o profissionalismo dos policiais no episódio que envolveu a cantora Rita Lee. Na hora de os gestores votarem nos direitos da polícia, ninguém colabora”, diz. Falando em questões salariais, o deputado acha que os assessores do governador precisam andar mais pelo país. “O Brasil inteiro está caminhando para a valorização da segurança pública. Assessores do governo se equivocam ao passar as informações de um salário de R$ 3.200,00 para o soldado. Na verdade, o salário é cerca de R$ 2.500,00”, afirma.

Sobre novos nomes para a segurança pública do estado, Samuel confirma alguns comentários: “de fato, já estão surgindo comentários a respeito da ida do coronel Iunes para o comando da Polícia Militar e Everton para o comando da Secretaria de Segurança Pública (SSP). Se o governador quer que a bandidagem tenha medo do comandante, Iunes é um bom nome. Se quiser uma polícia que converse e dialogue, pode escolher outro. A forma como se quer conduzir define o nome. Sergipe é um estado pequeno e tem total condição de ter uma segurança exemplo para o país”, finaliza.

Fonte: Faxaju (Munir Darrage)

Proposta do governo irritou dirigentes do Sinpol

O Chefe Casa Civil, Exmo. Sr. Carlos Pestana Neto, apresentou tabela de salário que irritou os representantes sindicais, na manhã de hoje(31). Ela inverte a boa expectativa dos agentes de polícia na negociação da Progressão Salarial defendida pelo sindicato com igual matriz salarial dos delegados de polícia.

A direção do sindicato irá se reunir para avaliar os tipos de mobilizações da categoria para pressionar o governo a avançar nas negociações na defesa da Progressão Salarial aos agentes de polícia. Estiveram na reunião na Casa Civil o presidente Allan Mendonça e o assessor jurídico Nei Correia.

A tabela proposta pelo governo segue abaixo:
POLICIA CIVIL – Proposta de subsídio.

Cargo           Ano 2010      Ano 2018

Ins-esc 1ª     2.055,17      3.738,23
Ins-esc 2ª     2.263,60      5.426,46
Ins-esc 3ª     2.591,29      7.114,69
Ins-esc 4ª     2.821,15      8.802,93
Inv  7ª          2.680,84      8.362,78
Comissário     3.672,89    10.491,16

Fonte: http://www.sinpolrs.com.br

http://www.sinpolrs.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1913:proposta-do-governo-irritou-dirigentes-do-sinpol&catid=295:acao-governamental&Itemid=452

Cpers elabora calendário de pagamento

Em reunião do conselho-geral, hoje pela manhã, o Cpers irá elaborar um calendário de pagamento, em parcelas, do piso nacional do magistério. A proposta será encaminhada para aval da categoria e também para o governo do Estado.

 Fonte: Correio do Povo 03mar2012
 Coluna da Taline Oppitz
taline@correiodopovo.com.br

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Secretário de Segurança anuncia chegada da Força Nacional na Bahia

Anúncio foi feito em coletiva realizada nesta quinta-feira, em Salvador. Cento e ciquenta policiais devem chegar à capital ainda nesta noite.

Temendo crimes, comerciantes fecham lojas mais cedo em bairros de Salvador (Foto: Imagens/ TVBA)
Temendo crimes, comerciantes fecham lojas mais cedo em bairros de Salvador (Foto: Imagens/ TVBA) O secretário de segurança pública da Bahia, Maurício Barbosa, anunciou em coletiva à imprensa, no início da noite desta quinta-feira (2), que o governo do estado solicitou apoio da Força Nacional de Segurança, por conta da paralisação parcial da Polícia Militar. De acordo com o secretário, 150 policiais chegam à capital baiana ainda nesta noite. Outros 500 devem chegar no prazo de 48 horas.
O comandante geral da PM, coronel Alfredo Braga de Castro, também participa da coletiva.
Ainda segundo Maurício Barbosa, dois terços do efetivo da PM está trabalhando em toda a Bahia. A PM anunciou também nesta quinta o reforço no policiamento das cidades de Feira de Santana, a cerca de 100 km de Salvador, e de Ilhéus, no sul da Bahia. Outras unidades da PM foram deslocadas para os dois municípios por conta do clima de pânico da população.
Tensão
Em Salvador, diversos bairros tiveram suas lojas fechadas antes do horário normal nesta quinta-feira (2). A Avenida Sete de Setembro, localizada no centro da capital, onde há o maior número de lojas e centros comerciais da capital, os comerciantes também fecharam as lojas mais cedo.
Comerciantes fecharam a porta por medo de possíveis arrastões. O G1 entrou em contato com algumas delegacias que cobrem áreas como o Subúrbio e o Centro da cidade, mas a polícia nega que tenha registrado "arrastões". A paralisação de parte dos policiais militares da Bahia foi considerada irregular, de acordo com uma liminar expedida na manhã desta quinta-feira pelo juiz Ruy Eduardo Brito, da 6ª Vara da Fazenda Pública.
O juiz determina a imediata retomada das atividades pelos policiais vinculados à Associação de Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra), que decretaram greve. A multa estipulada para os policiais parados que não assumirem seus postos de trabalho é de R$ 80 mil.
O presidente da Aspra, Marco Prisco, disse por telefone que não foi informado sobre a liminar e que vai tomar providências legais para evitar a aplicação da multa.
Desde a madrugada de quarta-feira (1), sindicalistas filiados à Aspra ocupam a sede da Assembleia Legislativa, situada no CAB, em estado de greve. Na ocasião, Marco Prisco informou que os manifestantes só sairão do local após serem atendidos por algum representante do governo do estado.
Interior do estado
O Comando da Polícia Militar da Bahia informou que devido ao clima de tensão em Feira de Santana, em virtude da paralisação da PM na cidade, reforçou a segurança no município, que fica a cerca de 100 km de Salvador, e em Ilhéus, no sul do estado. Relatos de moradores de Feira de Santana informam que a cidade está sem transporte coletivo e que várias lojas do comércio foram fechadas, como forma de prevenção a saques.

O comando da PM informa que foram deslocadas viaturas da Companhia Independente de Policiamento Especializado (CIPE) Litoral Norte para Feira de Santana, e enviadas equipes da CIPE Cacaueira para Ilhéus, no intuito de garantir a segurança da população nas duas cidades.
Shoppings
De acordo com informações da Assessoria de Imprensa do Shopping Piedade, localizado no centro de Salvador, apesar dos boatos, não houve arrastão no local. O shopping funciona normalmente até às 21h. Já o Shopping Barra, localizado em bairro nobre de Salvador, os comerciantes foram orientados a fecharem as portas no início da noite desta quinta-feira (2). A assessoria do shopping informou que o funcionamento volta ao normal na manhã desta sexta-feira (3).
Greve
Desde a madrugada de quarta-feira (1), sindicalistas filiados à Associação de Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra) ocupam a sede da Assembleia Legislativa, situada no CAB, em estado de greve. Na ocasião, o presidente da associação, Marco Prisco, informou que os manifestantes só sairão do local após serem atendidos por algum representante do governo do estado.
Na manhã desta quinta-feira (2), a paralisação de parte dos policiais militares da Bahia foi considerada irregular, de acordo com uma liminar expedida pelo juiz Ruy Eduardo Brito, da 6ª Vara da Fazenda Pública.
O juiz determina a imediata retomada das atividades pelos policiais vinculados à Aspra, que decretaram greve. A multa estipulada para os policiais parados que não assumirem seus postos de trabalho é de R$ 80 mil.


Fonte: Do G1 BA

Açúcar em excesso é tão nocivo quanto álcool, dizem especialistas


Pesquisa americana sugere restrições ao consumo de bebidas e alimentos doces































































































Crédito: PARIS (AFP)
<br /><b>Crédito: </b> PARIS (AFP)Ingerir açúcar demais é tão nocivo para a saúde quanto o abuso de álcool, afirmaram cientistas americanos, que defendem a adoção de restrições ao consumo, como as impostas às bebidas alcoólicas e ao tabaco. O grupo propôs adotar uma taxa para as bebidas e os alimentos que contenham açúcar agregado, em particular a frutose, segundo artigo publicado na revista científica Nature.

De acordo com Robert Lustig, Laura Schmidt e Claire Brindis, o consumo abusivo de açúcar é tão nocivo que eles propõem que se proíba a venda de bebidas açucaradas a menores de 17 anos. Doenças não transmissíveis, como cardiopatias, diabetes ou câncer, contribuem para a morte de 35 milhões de pessoas a cada ano em todo o mundo, afirmaram os especialistas, destacando o papel do açúcar no avanço destas patologias.

Os efeitos do consumo excessivo de açúcar podem ser similares aos do abuso de álcool, favorecendo a hipertensão, o diabetes e os riscos cardíacos.Segundo o estudo, o consumo de açúcar em todo o mundo triplicou nos últimos 50 anos.
 
Fonte: http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=388433

Chefe de Polícia ameniza ameaças de greve da categoria

Para Vieira Júnior, servidor público tem um dever constitucional a cumprir

O chefe de Polícia do Estado, Ranolfo Vieira Júnior, amenizou nesta quinta-feira as ameaças dos agentes e afirmou que é impossível boicotar as operações dos departamentos estaduais de Investigações Criminais (Deic) e de Investigação do Narcotráfico (Denarc), uma vez que o servidor público tem um dever constitucional a cumprir. Vieira Júnior acredita que o diálogo com os policiais civis está no bom termo e terá desfecho positivo, a exemplo das negociações com os delegados.

O diretor da Ugeirm-Sindicato, Fábio Castro, adiantou que na próxima segunda-feira haverá encontro com os colegas do Deic. O sindicalista declarou que o principal argumento para a adesão ao movimento que pretende paralisar as operações policiais é a possível diferença salarial entre classes. Pela proposta do governo, em 2018, um agente com nível superior passaria a receber R$ 3,7 mil, enquanto um delegado ganharia R$ 18 mil. No entendimento da categoria, trata-se de um abismo consolidado por uma diferença de quase R$ 15 mil.

Até o fim de fevereiro, haverá nova audiência no Palácio Piratini, mas a categoria já agendou assembleia para 7 de março para deliberar sobre a greve.

Fonte: http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=388432

Juízes vão ao Supremo por reajuste

A Associação entra na Justiça para garantir 4,8% de aumento no salário dos ministros do STF. A medida elevaria o teto do funcionalismo público para R$ 28 mil e atingiria todos os magistrados do país Derrotados no Congresso durante a votação do Orçamento de 2012, os servidores do Judiciário ainda não desistiram de obter ganhos salariais este ano e abriram nova frente de batalha. A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) apresentou ação no Supremo Tribunal Federal exigindo que os parlamentares votem um aumento para repor as perdas inflacionárias de 2011. Caso aprovados, os 4,8% de reajuste custariam R$ 151,5 milhões aos cofres públicos.

. A guerra prometida pelos servidores públicos foi declarada oficialmente ontem. E começou pelos magistrados. Depois de perder a batalha por reajustes salariais no Orçamento de 2012, a Associação dos Juízes Federais do Brasil.

. (Ajufe) decidiu peitar a presidente Dilma Rousseff e entrou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) exigindo que deputados e senadores garantam um reajuste de 4,8% na remuneração dos ministros do STF. A mudança alteraria o teto do funcionalismo de R$ 26,7 mil para R$ 28 mil e elevaria, automaticamente, os salários dos juízes e dos ministros dos demais tribunais superiores.

Fonte:Polibio Braga:


Efeito cascata

Como esperado, os reajustes à área da Segurança e a proposta ao Cpers levaram categorias a elevarem o tom por melhorias nos contracheques. A Federação Sindical dos Servidores Públicos cobra urgência na concessão de reajuste a servidores do quadro geral, que "aguardam com ansiedade por proposta". Uma mobilização terá início em março.

Fonte: Correio do Povo 02fev2012
Coluna da Taline Oppitz
taline@correiodopovo.com.br

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

RJ: Mudanças na remuneração da Segurança

Gratificações de PMs, policiais civis e bombeiros serão incorporadas aos vencimentos

Rio -  Servidores da Segurança Pública do Rio poderão ter uma nova forma de remuneração a partir de 2014. Sai a sopa de letras, com diversas gratificações, e entra o subsídio que agrupará os penduricalhos. Com isso, os bônus e demais adicionais serão incorporados aos salários de policiais civis e militares e bombeiros. Na Polícia Militar e no Corpo de Bombeiros, o valor inicial seria de R$ 3.500 para os soldados.
 
A medida vai contemplar, principalmente, os 32.163 aposentados e 14.404 pensionistas que atualmente não recebem gratificações que estão em vigor. Todas as alterações têm o sinal verde do Palácio Guanabara.

O governo também quer unificar o pagamento do auxílio moradia dos militares. A ideia é aplicar o valor máximo recebido pelos servidores que possuem dependentes. A mudança não teria grande impacto econômico e também beneficiaria quem ainda não possui filhos.
 
Segundo fontes do estado, o governador Sérgio Cabral autorizou que os comandos militares e a chefia de Polícia Civil iniciem o processo de negociação com os representantes das classes. Mas deixou claro que as novas regras entrarão em vigor em 2014 e lembrou que, até 2013, valem os reajustes que foram antecipados na última sexta-feira e que somam 38,81% entre fevereiro de 2012 e outubro do próximo ano.

Cabral estaria disposto a arcar com o peso da mudança para os inativos e pensionistas. E, também, com os gastos adicionais aos servidores ativos que hoje não recebem qualquer bônus. Como no caso daqueles que estão de licença-médica e perdem o direito aos benefícios.

A proposta do subsídio é garantir em lei que os atuais 73.106 servidores ativos da Segurança Pública recebam todos os adicionais — já que o sucessor do governo poderia cortar todos os já existentes. E também assegurar que os em atividade não percam os valores quando se aposentarem.

Em outubro de 2013 um soldado PM-BM, com dependente, terá remuneração total de R$ 2.077,23. Para quem não possuir dependentes será de R$ 1.756,67.

Postos reformados

Os servidores estaduais contam a partir de hoje com 16 polos de atendimento para perícia médica reformados e informatizados. Os postos foram distribuídos em cinco regiões do estado.

Condições de trabalho

Segundo a Secretaria de Saúde, o novo sistema vai incluir, a partir de hoje, a avaliação das condições de ambiente de trabalho e a realização de exames periódicos para os funcionários do estado.

Pedido de adicional

Segundo o superintendente de Perícia Médica, Eduardo Santos, a mudança será fundamental para os pedidos de adicional por insalubridade e periculosidade. Veja o endereço dos postos:

1. Angra dos Reis - Av. Raul Pompéia, 75 - sala 210 - Centro Empresarial Londres, Centro- tel.: (24) 3364-4186.
2. Araruama - Rua República do Chile, 240 - sala 205 - Centro.
3. Barra Mansa - Rua José Marcelino de Camargo, 1041 - sala 204 - Centro - tel.: (24) 3322-3033.
4. Barra do Piraí - Rua Paulo de Frontin, 182 - salas 311/312´- Centro - tel.: (24) 2443-4148.
5. Campo Grande (Zona Oeste/RJ) - Rua Olinda Elles, 170 - Centro - tel.: 3394-9776 / 2416-0909.
6. Campos dos Goytacazes - Rua Conselheiro Otaviano, 84/403 - Ed. Fleming - Centro - tel.: (22) 2725.6778.
7. Duque de Caxias - Rua Mariano Sendra dos Santos, 44 - sala 202 - Centro - tel.: 2652-0684.
8. Itaguaí - Rua Antonio de Moraes Menezes, 133 - Jardim Raisa - tel.: 2688-3573
9. Itaperuna - Rua Thomaz Teixeira dos Santos, 98/ 205 - Ed. Policenter, Centro - tel.: (22) 3824.1285.
10. Macaé - Rua Dr. Bueno, 478 - Imbetiba - tel.: (22) 2762.1223 / 2762.5570.
11. Niterói - Rua Dr. Borman, 23, coberturas 3 e 4 - Centro.
12. Nova Iguaçu - Rua Sebastião Herculano de Matos, 196 - Centro - tel.: 2667-7331.
13. Nova Friburgo - Rua General Osório, 351 - Centro - tel.: (22) 2522-3162.
14. Petrópolis - Avenida Tiradentes, 84 - Centro.
15. Rio de Janeiro (Central) - Rua Conde de Bonfim, 346 - loja 221 - 7º andar e/ou Rua Santo Afonso, 263 - loja 221 - 7º andar - Tijuca.
16. São Gonçalo - Rua Coronel Serrado, 1.000/salas 1002 e 1003 - Zé Garoto.

Fonte: O DIA ONLINE

Quarta-feira é marcada por paralisações na Bahia


Segmento da Polícia Militar da Bahia decidiu entrar em greve nesta quarta-feira
Foto: Divulgação / Aspram

Esta quarta-feira (1º) começou em polvorosa na Bahia, principalmente na capital, Salvador. Segmentos da Polícia Militar (PM-BA), servidores da Superintendência de Trânsito e Transporte (Transalvador), e funcionários que estão trabalhando nas obras da Arena Fonte Nova paralisaram suas atividades no início do dia.
As ações causaram engarrafamentos em toda a cidade desde o começo da manhã, já que no caso dos policiais militares e dos operários da arena, houve interdição de vias. Para completar o já movimentado dia, está marcada para as 16h (horário de Brasília), uma passeata promovida por movimentos sociais contra o prefeito de Salvador, João Henrique (PP), e vereadores do município.
POLÍCIA MILITAR - Os policiais que aderiram à greve da PM-BA fazem parte da Associação de Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra). Eles decretaram a paralisação em assembleia na noite desta terça-feira (31) e passaram a madrugada desta quarta (1º) na frente da Assembleia Legislativa. O grupo reivindica a criação de um plano de carreira, pagamento da Unidade Real de Valor (URV) e melhores condições de trabalho. A reportagem tentou entrar em contato com representantes da Aspra, mas os telefones disponíveis no site da instituição estavam desligados durante toda a manhã.
O comando da PM-BA, no entanto, nega a existência de greve. Em nota oficial divulgada na página do Governo do Estado na internet, a Polícia Militar informou que, apesar da "ameaça de paralisação de segmentos da corporação, os serviços de segurança seguem dentro da normalidade. Todas as providências já foram tomadas e estão mantidas as rotinas do policiamento na capital e no interior". Mesmo negando o movimento, o comando afirmou que as solicitações estão sendo tratadas junto às associações corporativas. Leia a nota na íntegra.
Foto: Divulgação / Associação dos Servidores em Transporte e Trânsito do Município

TRANSALVADOR - Os funcionários da Transalvador iniciaram às 6h uma paralisação que tem duração prevista de 48 horas. A decisão de cruzar os braços ocorreu após assembleia realizada nesta terça-feira (31). Durante esse período, apenas 30% do efetivo estará nas ruas, o que é exigido por lei. Nesta quinta (2), acontece a Festa de Iemanjá, que contaria com uma operação especial do órgão municipal e que será bastante comprometida, assim como as blitzes de Lei Seca.
Os motivos alegados pela Associação dos Servidores em Transporte e Trânsito do Município (Astram) e pelo Sindicato dos Servidores em Trânsito e Transporte de Salvador e Região Metropolitana (Sindttrans), que estão à frente do movimento, são o "descaso e falta de comprometimento da administração municipal frente aos pleitos da categoria." Entre eles estão a discussão dos cinco anos de retroativo, pagamentos atrasados e regulamentação do Plano de Cargos e Vencimentos. Na sexta-feira (3), após a paralisação, haverá, às 9h, nova assembleia, que já tem indicativo de greve por tempo indeterminado. A interrupção aconteceria a partir do próximo dia 6, a dez dias no início do Carnaval.
A Transalvador divulgou no fim da manhã nota oficial sobre a paralisação. O órgão informou que está "absolutamente em dia com os pagamentos das operações especiais realizadas pelos agentes de fiscalização do órgão, não cabendo reivindicações sobre este assunto". Declarou ainda que o superintendente da Transalvador, Alberto Gordilho, "mantém um canal de diálogo permanente, de portas abertas, com as associações representativas dos funcionários, estranhando que tenham optado pelo caminho da greve" e que a superintendência está estudando com seu setor jurídico as medidas cabíveis para acionar aqueles que paralisaram suas atividades.
FONTE NOVA - Desde o início da manhã, os operários que estão construindo a Arena Fonte Nova, no centro de Salvador, que vai sediar jogos da Copa do Mundo de 2014, estão reunidos em frente ao canteiro de obras do estádio. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesada (Sintepav), aproximadamente dois mil trabalhadores aderiram à paralisação em protesto a cortes no salário sem justificativa.
Segundo a assessoria do consórcio responsável pela construção do estádio, a direção ainda não foi informada sobre as reivindicações que motivaram a manifestação e aguarda comunicação oficial através do Sintepav, que representa a categoria, e "reafirma o compromisso de respeito aos direitos dos seus colaboradores, permanecendo aberta ao diálogo".

Fonte: NE10.UOL

BA: Policiais militares em greve ocupam Assembleia Legislativa


Com motos e carros, policiais saíram em direção ao CAB para entregar reivindicações
Policiais militares e bombeiros que decretaram greve em assembleia na tarde desta terça-feira (31), estão ocupando a sede da Assembleia Legislativa em Salvador, no Centro Administrativa da Bahia (CAB). Às 23h40, cerca de 3 mil policiais estavam no local, segundo informações da Associação de Policiais e Bombeiros do Estado da Bahia (Aspra). Eles estão dispostos a virar a noite no local.
De acordo com o diretor jurídico da Aspra, Fábio Brito, os PMs devem permanecer no local até que sejam recebidos pelo governador Jaques Wagner ou por alguém que o represente. Wagner está em Cuba com a presidente Dilma Rousseff e deve chegar na quinta-feira.
A categoria deve permanecer no local por tempo indeterminado e, a depender do que seja negociado, os policiais devem votar, em assembleia, pela suspensão ou manutenção da paralisação.

Em assembleia nesta tarde, associação decretou greve por tempo indeterminado
Ainda de acordo com Fábio Brito, a Aspra, que atua em âmbito nacional, tentou negociar apoio das Asssociações de Oficiais da Polícia Militar, de Soldados e Cabos e de Tenentes e Sargentos, mas elas não aderiram à proposta de greve. "Temos cerca de dois mil associados, mas integrantes de outras associações participaram da assembleia, que contou com cerca de 10 mil agentes", explicou. O número é contestado pelo Comando da PM.
Comando nega greve
Apesar da decisão tomada pela Aspra, a assessoria do comando da PM não reconhece a greve e diz que o órgão funciona normalmente, mesmo com o indicativo de paralisação. O diretor de comunicação da PM Gilson Santiago disse que todas as unidades estão funcionando normalmente e que os PMs que trabalham à noite já estão assumindo seus postos.
Ontem, o comando da PM assegurou em nota que as negociações continuavam e os serviços da Polícia Militar seguiam de forma normal. Assinada pelo comandante-geral da PM, Alfredo Braga de Castro, a nota diz que a instituição tem confiança no governo, que conta com "responsabilidade e compromisso da tropa de garantir a paz dos seus familiares, amigos e a sociedade como um todo".
Reivindicações
Os policiais reivindicam o cumprimento da lei 7.145 de 1997, com pagamento imediato da GAP V, incorporação da GAP V ao soldo, regulamentação do pagamento de auxílio acidente, periculosidade e insalubridade, cumprimento da lei da anistia e a criação do código de ética, além da criação de uma comissão para discutir um plano de carreira para a categoria.
Os policiais e bombeiros reclamam que mesmo algumas questões já regulamentas pela lei não são cumpridas pelo estado. Durante a assembleia, um dos cartazes levados pelos PM dizia que o governo Wagner foi uma "traição" com a categoria. "Esse foi o governo em que mais morreram PMs", diz. Em Ilhéus e Feira de Santana os comandantes garantiram que não haverá greve, segundo a TV Bahia.
fonte: Correio