PREVISAO DO TEMPO

sábado, 10 de dezembro de 2011

Com greve na PM, Exército é convocado para segurança em RO

Cerca de 1.200 militares já estão nas ruas de Porto Velho e interior. Segundo governo, 1.600 policiais não estão trabalhando no estado.

O governo de Rondônia pediu apoio de tropas do Exército para atuar na segurança nas ruas devido à greve da Polícia Militar no estado. Segundo o governo, 1.200 homens de batalhões do Exército de Rondônia, Acre e Amazonas já estão nas ruas da capital, Porto Velho, e de algumas cidades do interior apoiando o policiamento.
O governo diz que pelo menos 1.600 policiais militares estão em greve.
A informação sobre o envio de tropas do Exército para as ruas foi divulgada pelo general Ubiratn Potty, comandante 17ª Brigada de Infantaria de Selva, que coordena a operação, em entrevista coletiva com o secretário de Segurança do estado, Marcelo Bessa, e o comandante da Polícia Militar de Rondônia, Paulo Cesar de Figueiredo, na tarde de sexta-feira (9).
 O secretário disse na ocasião que o governo “não poderá mais conceder aumento e nem anistiar os policiais que aderiram à paralisação” e que houve uma reunião com líderes do movimento grevista buscando o fim da paralisação, mas que não houve acordo.
fonte: G1

ATENÇÃO SERVIDORES DE NIVEL MÉDIO, SALVA-VIDAS E FAMILIARES

Protesto pacífico e ordeiro contra o baixo valor das diárias da Operação Golfinho.

Doe sangue, momento em que a sociedade verá seus herois em mais um ato nobre, mesmo diante do descaso do governo. Participe, não fique parado, descruze os braços e venha fazer parte desse movimento. Um gesto simples e solidário que mostrará a união da categoria, além da insatisfação pela histórica penúria e indigidade salarial a que são submetidos os brigadianos.

Na quinta-feira, 15 de dezembro, às 09h, no Hemocentro Partenon

Av. Bento Gonçalves, 3722
Porto Alegre
Fonte: Facebook ASSTBM
 

Proposto o fim da JME: PEC que extingue Tribunal de Justiça Militar volta a tramitar na AL-RS

Deputado Raul Pont propõe a PEC 222 que extingue a Justiça Militar e defende que os recursos orçamentários hoje destinados ao Tribunal de Justiça Militar devem ser utilizados integralmente para a ampliação, qualificação e modernização dos serviços da Brigada Militar junto a população gaúcha
Fonte: Site ALERGS
.

Novas inscrições de salva-vidas

A Brigada Militar reabriu as inscrições para salva-vidas civis temporários. Como as 600 oportunidades oferecidas não foram fechadas – somente 274 interessados se inscreveram –, a corporação está abrindo mais 509 colocações para esses profissionais.
As inscrições vão até o dia 22. Os candidatos selecionados serão contratados para atuar nos meses de janeiro, fevereiro e março do ano que vem, podendo esse período ser prorrogado ou reduzido, conforme as necessidades da atividade.
As vagas serão divididas da seguinte forma: em águas de mar, 352 no  Litoral Norte e 65 no Litoral Sul, além das águas internas, como Região Metropolitana (15), Capital (10), Litoral Norte (10), Região Sul (10),
Região Central (10), Vale do Rio Pardo (10), Vale do Rio dos Sinos (10) e Fronteira Oeste (17).
Para concorrer, é preciso ir ao Departamento Administrativo da BM, na Rua dos Andradas, 482, Centro de Porto Alegre. Mais informações: 3288-2812 e 3288-2834. Nas demais cidades do Estado, é possível se inscrever nos Comandos Regionais de Policiamento ou de Bombeiros.


Fonte: Diário Gaúcho10 e 11 dez2011

Formalizada promoção imediata de mais de 800 praças da Brigada Militar

Reajuste de salários será discutido entre Casa Civil e categoria na próxima segunda-feira


Foi formalizada na tarde desta sexta-feira a promoção de 855 praças de forma imediata e de 2,8 mil nos próximos quatro anos, sendo 700 por ano. O cronograma prevê o benefício às categorias de soldado a terceiro sargento da Brigada Militar e do Corpo de Bombeiros.

A promoção, aprovada pela Assembleia Legislativa, foi assinada pelo governador Tarso Genro e pelo comandante-geral da corporação, coronel Sérgio Abreu.

A Associação de Cabos e Soldados afirma que o projeto encaminhado pelo executivo previu um número menor de promoções do que foi prometido durante as discussões de reajuste salarial.

A categoria pede nova proposta, promovendo mais 281 bombeiros. O coronel Sérgio Abreu, no entando, descarta essa possibilidade.

O efetivo deve permanecer nas mesmas regiões onde já está trabalhando. Na próxima segunda-feira, uma reunião está marcada na Casa Civil com os oficiais da Brigada Militar para tratar do projeto de reajuste salarial da categoria.
RÁDIO GAÚCHA

Tarso sinaliza com possível aumento em promoções de bombeiros

Hoje, 855 primeiros de um total de 2,8 mil PMs ascenderam de classe

O presidente da Associação de Cabos e Soldados da Brigada Militar (Abamf), Leonel Lucas, avaliou que a promoção de 2,8 mil policiais, projetada pelo governador Tarso Genro até o fim da gestão, é uma vitória da categoria. Hoje, o Piratini oficializou a promoção imediata de 855 soldados da Brigada Militar, 789 do quadro de policiamento e 66 do quadro de bombeiros da corporação. 
Apesar de festejar o anúncio, Leonel Lucas destacou que, na última negociação salarial, o governador prometeu promover um número maior de bombeiros. A categoria pede que 281 ascendam de classe. Tarso sinalizou que, até terça-feira, deve resolver o impasse.
Entre os 855 promovidos em 2011, no QPM 1 (quadro de policiamento), cinco passaram ao posto de 1º Sargento, quatro ao de 2º Sargento e 780 ao de 3º Sargento. No QPM 2 (quadro de bombeiros), 11 foram promovidos a 1º Sargento e 55 a 3º Sargento.

Ouça o áudio: Presidente da Associação de Servidores de Ensino Médio da BM (Abamf), Leonel Lucas

Fonte: Jerônimo Pires/Rádio Guaíba

Site da ABAMF

ASSTBM repercute na rádio Pampa o descaso do governo com os salva-vidas (ÁUDIO)


Na manhã desta sexta-feira (09), o vice-presidente da Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar (ASSTBM), Olivo Moura concedeu entrevista à Rádio Pampa AM 970 Khz, falando sobre as dificuldades que os brigadianos salva-vidas vêem enfrentando. Olivo, refletindo os anseios da categoria por um aumento no valor  das diárias, cobrou providências do governo. Inclusive, mencionou a possibilidade de haver um protesto pacífico em Porto Alegre, quando os salva-vidas se reunirão na sede da ASSTBM, saindo em caminhada para a doação de sangue ao hemocentro, na quinta-feira dia 15. A apresentadora Beatriz Fagundes apoiou a causa e questionou o descaso do governo em relação a situação dos salva-vidas. Olivo expressou toda a indignação dos pms que estão em treinamento para Operação Golfinho.
Ouça o programa através dos links abaixo:
Bloco1 Beatriz Fagundes
Bloco2 Beatriz Fagundes
Bloco3 Beatriz Fagundes

Fonte: ASSTBM

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Sindsepe/RS expõe situação dos servidores na ALERGS

Diretores do sindicato participaram da reunião da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos (CCDH)
No período dos assuntos gerais, na manhã desta quarta-feira (7), o deputado Miki Breier (PSB), presidente da CCDH, destacou que o órgão técnico recebe demandas importantes, como é a questão de parcela significativa do funcionalismo público estadual que percebe menos que um salário mínimo de remuneração.
"Abrimos este espaço ao Sindicato dos Servidores Públicos do RS que recebem um salário menor que o piso mínimo nacional. Esta situação é inaceitável num estado como o nosso", avaliou o parlamentar.
O diretor do Sindsepe/RS, Luiz Augusto Ferreira, relatou aos parlamentares a difícil situação salarial de parcela do funcionalismo público estadual que percebe remuneração mensal inferior ao piso mínimo nacional. Ele lamentou as distorções salariais entre as diversas categorias de servidores. Segundo Ferreira, muitos funcionários públicos concursados recebem menos que estagiários. Para o representante do Sindsepe/RS, a solução é a criação de um plano de carreira com isonomia salarial.
O Sindsepe/RS cobrou a urgência na realização de uma Audiência Pública, pois a partir de Janeiro passará para 12 o número de níveis remuneratórios do Quadro Geral com o vencimento básico menor que o valor do novo Salário Mínimo (R$ 620,00).
Após a fala do diretor do Sindsepe/RS, a deputada Miriam Marroni, líder do governo na Assembleia, informou que a Secretaria de Administração e Recursos Humanos do governo estadual deve apresentar uma proposta de reajuste salarial aos servidores do quadro geral ainda este ano.
O Sindsepe/RS não conhece a proposta. Desde o início do ano, tenta negociar com o Executivo que sucessivamente vem fechando as portas. Agora o governo diz que vai apresentar um reajuste, de forma unilateral. O Sindicato alerta que é preciso manter as mobilizações para garantir a negociação com o governo do Estado.

Fonte: http://sindsepers.org.br/?area=1&item=6761

Governador assina promoções para mais de 800 praças da Brigada Militar


O governador Tarso Genro assinou, nesta sexta-feira (09), a lista de promoções dos praças da Brigada Militar. Serão 846 brigadianos promovidos para 1º,  2º e 3º Sargentos. Representando a ASSTBM esteve no encontro o Vice-presidente Olivo Moura. A mesa de autoridades também contou com a presença do Comandante-geral da Brigada Militar, Sérgio Abreu, do Sub-comandante Altair Freitas e do Secretário da Segurança Pública, Airton Michels. Olivo ressaltou que a iniciativa do governo vai beneficiar muitos servidores. Assim, ele espera que além dessa aja muitas outras resoluções governamentais favoráveis aos servidores de nível médio. “Espero que essa seja a primeira de muitas ações que venham a favorecer os brigadianos”, disse Olivo. Na ocasião, Tarso Genro recebeu a última edição do jornal O Clarim, que expressa toda a indignação da categoria de Sargentos, Subtenentes e Tenentes com o projeto aprovado de reajuste salarial com índices percentuais diferenciados.


Olivo cobra do Comandante-geral providências para o reajuste das diárias dos salva-vidas

 
Olivo entrega a Tarso Genro o jornal O Clarim.

 
Tarso fica supreso com o título "Governo desestrutura nível médio da Brigada Militar".


Fonte: http://www.asstbm.com.br/2011/category/geral/

Greve da PM: Governo faz último esforço e Presidente Dilma Roussef autoriza o uso de tropas do Exército

Num último esforço para por fim ao movimento grevista da Polícia Militar, iniciado na manhã do último sábado (3), o governador Confúcio Moura participou pessoalmente da reunião convocada pelo desembargador Walter Waltemberg para tentar uma conciliação. O governador conversou com lideranças dos grevistas, quando mais uma vez falou da limitação financeira do Estado e reafirmou a proposta oficial de conceder 12,6% de reajuste em três parcelas de 4,2%, com a antecipação de uma das parcelas.
A proposta do governo é conceder 12,6% da seguinte forma: parcelas de 4,2% em janeiro e outubro de 2012, e abril de 2013, mais as duas parcelas do reajuste linear anual a todos os servidores, nos meses de abril e outubro. Na reunião no Tribunal de Justiça na tarde desta sexta-feira (8) o governador aceitou antecipar a parcela de 4,2% que seria paga no mês de outubro, para o mês de agosto.
Os grevistas insistem no pedido de 44%, número apresentado pela categoria como o acumulado das perdas salariais nos últimos dez anos. Não apresentaram até agora, porém, com base em qual indicador econômico chegaram a tal índice. Nesta manhã o secretário de Segurança Pública, Marcelo Bessa voltou a reunir o Gabinete de Gestão Integrada, que reúne todos órgãos ligados a segurança pública, mais Exército, Ministério Público, Judiciário e outros, quando afirmou que em nenhum momento o governador Confúcio Moura ou qualquer membro de seu governo tenha firmado compromisso com outro índice de reajuste diferente dos 12,6%.
“O governo se comprometeu a estudar o pedido de reajuste, mas jamais firmou compromisso com o índice de 44%. Desafio qualquer liderança do movimento a apresentar uma ata ou gravação que contenha um compromisso do governo”, disse Bessa, ao contestar a informação que vem sendo disseminada pelos grevistas de que o governo descumpriu acordo.
PEC 300
Para o comandante geral, coronel Paulo Cesar Figueiredo, com os reajustes oferecidos pelo governo, o soldo do soldado vai para R$ 3,15 mil, muito próximo do que reivindica a classe dos soldados de todo o Brasil, que estão mobilizadas pela aprovação da PEC 300, que se aprovada definirá um piso nacional em torno de R$ 3,2 mil a 3,4 mil.
Enquanto a PM se mantém em greve, o governo continua recebendo reforço de policiais da Força Nacional. Nesta sexta-feira (9) são esperados mais 198 homens. De acordo com o secretário Bessa, da Segurança, mesmo com a polícia militar em greve, será possível baixar os índices de criminalidade na capital. Bessa aproveitou para advertir os grevistas que qualquer tipo de ataque aos policiais da Força Nacional, como já ocorreu, será crime federal e os envolvidos serão levados, por conseqüência, à Polícia Federal.  
Exército
No início desta noite o secretário Bessa divulgou nota na qual comunica a autorização da presidente Dilma Roussef, para que o Exército possa atuar na Garantia da Lei e da Ordem em Rondônia. Acompanhado do Comando da PM, Bessa se reuniu com o general comandante da 17ª Brigada de Infantaria de Selva, Ubiratan Poty, para definir as ações de emprego da tropa do Exército, de modo a restituir a total normalidade do policiamento em todo o Estado.
A autorização da presidente Dilma foi publicada no Diário Oficial da União número 235, desta quinta-feira, à folha 02. Serão empregados 1.200 homens da operação.

PEC que extingue Tribunal de Justiça Militar volta a tramitar na AL-RS

O Projeto de Emenda Constitucional pelo fim do TJM-RS conta com a assinatura de 28 parlamentares, representando quase todos os partidos da AL

Uma proposta de emenda constitucional (PEC) protocolada esta semana pelo deputado estadual Raul Pont (PT) promete reacender a discussão sobre a extinção do Tribunal de Justiça Militar (TJM) do Rio Grande do Sul. O texto conta com a assinatura de outros 27 parlamentares, representando quase todos os partidos com assento no Parlamento gaúcho. As únicas siglas que não apoiam a medida são o DEM e o PRB.
Pont resolveu redigir uma nova PEC, ao invés de utilizar a que estava arquivada desde o dia 23 de dezembro de 2010. A proposta antiga foi protocolada em 2009 por iniciativa do então presidente do Tribunal de Justiça (TJ-RS), desembargador Armínio José Abreu Lima.
O projeto naufragou na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), pois o relator, Adroaldo Loureiro (ex-PDT, que hoje é conselheiro do Tribunal de Contas do Estado), nunca relatou a matéria, acabou solicitando diligências que não aconteceram e o texto foi arquivado com o término da legislatura passada.
Pont argumenta que não há necessidade de o Estado ter uma Justiça específica para apreciar crimes cometidos pelos policiais militares. “Somente em 2012 serão R$ 31 milhões para sustentar um tribunal que julga meia dúzia de processos. É uma instituição só para servir de compadrio e indicações”, disparou o petista. Ele lembra que apenas Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul possuem uma instância específica para julgar crimes cometidos por policiais militares. “Não há nenhuma razão para existirem, é um gasto desnecessário e absurdo que poderia ser utilizado pra qualificar a Brigada Militar”, defende.
Após 15 dias de publicação no Diário Oficial da Assembleia Legislativa, a PEC vai para a CCJ, onde terá um relator e poderá receber emendas. Como terá o recesso parlamentar no final de dezembro e a retomada das atividades em fevereiro, e o texto poderá passar ainda por outras comissões, é pouco provável que a matéria seja aprovada em plenário ainda no primeiro semestre do ano que vem.
Advogado nomeado por Tarso ainda não tomou posse
Apesar de toda a bancada do PT na Assembleia Legislativa ter assinado a PEC que propõe a extinção do Tribunal de Justiça Militar (TJM-RS), o governador Tarso Genro não deixou de fazer uma nomeação para a corte, que é composta por sete juízes, sendo quatro coronéis e três civis.
Entretanto, a indicação do advogado Jorge Luiz Garcia de Souza foi barrada pelo Tribunal de Justiça (TJ-RS), cujo Órgão Especial concedeu mandado de segurança contra o ato de Tarso. O pedido de anulação partiu do Ministério Público (MP), que reivindica a vaga por entender, pela ordem de substituições, o cargo deve ser ocupado por um membro do MP.
O Palácio Piratini já recorreu da decisão, que foi editada no dia 17 de outubro, mas o recurso ainda não foi apreciado.
Deputados estaduais que assinaram a PEC pelo fim do TJM-RS
PT
Adão Villaverde
Alexandre Lindenmeyer
Altemir Tortelli
Ana Affonso
Daniel Bordignon
Edegar Pretto
Jeferson Fernandes
Luis Fernando Schmidt
Luis Lauermann
Marisa Formolo
Miriam Marroni
Nelsinho Metalúrgico
Valdeci Oliveira
PDT
Alceu Barbosa
Diógenes Baségio
Gerson Burmann
Juliana Brizola
Marlon Santos
PMDB
Alexandre Postal
Álvaro Boéssio
PSDB
Adilson Troca
Zilá Breitenbach
PSB
Miki Breier
PCdoB
Raul Carrion
PP
Mano Changes
PTB
Cassiá Carpes
PPS
Paulo Odone
Fonte:jornalSul21 /Samir Oliveira

Uma bolada! E sem precatório...

  (09.12.11)
Um grupo formado por 17 integrantes da cúpula do Tribunal de Justiça de São Paulo que está sob investigação do CNJ pode ter recebido ilegalmente R$ 17 milhões dos cofres públicos em 2010. Os corregedores do CNJ colheram indícios de que o dinheiro foi usado para pagar - sem precatórios - de uma só vez, R$ 1 milhão a cada um dos juízes, a pretexto de resolver uma antiga pendência salarial da categoria.

As informações são do jornal Folha de S. Paulo, em matéria assinada pelo jornalista Flávio Ferreira.

Os 17 magistrados tinham direito a receber pelo menos parte desse dinheiro, mas os pagamentos foram feitos em condições privilegiadas, de acordo com duas pessoas familiarizadas com as investigações. Não houve necessidade de que se submetessem à fila dos precatórios. Outros integrantes do TJ-SP e juízes da primeira instância que também têm direito a esses pagamentos estão recebendo o dinheiro em parcelas mensais de pequeno valor. Também sem precatórios.

Segundo a Folha de SP, "há indícios de que os pagamentos que chamaram a atenção do CNJ tenham sido autorizados pelo então presidente do tribunal, Antonio Carlos Viana Santos, que morreu em janeiro".  Segundo os resultados preliminares da investigação, a medida beneficiou 17 colegas, deixando de fora os outros 336 desembargadores do TJ.

A suspeita é que Viana Santos tenha aproveitado uma sobra encontrada no orçamento do tribunal para autorizar os pagamentos.

A pendência salarial que justificou esses pagamentos têm origem em lei de 1992 que criou mecanismo para equiparar salários dos membros do Legislativo e do Judiciário, como manda a Constituição. Dois anos depois, os deputados federais passaram a receber auxílio-moradia, mas o benefício não foi incluído entre as verbas recebidas pelos juízes, e eles recorreram ao Supremo Tribunal Federal.

O STF reconheceu o direito dos juízes e autorizou o pagamento dos atrasados em parcelas mensais.
Contraponto

O TJ-SP informou à Folha de SP que "não se pronunciará sobre a suspeita de pagamentos ilegais até o fim da inspeção que o Conselho Nacional da Justiça está fazendo".

O CNJ está examinando movimentações financeiras atípicas de juízes em São Paulo e em outros Estados, totalizando 27 tribunais. As cortes estaduais e federais do Rio Grande do Sul e Santa Catarina estão fora da relação.
 
 
Leia a nota do CNJ e saiba quais os tribunais que estão sendo investigados
 
(09.12.11) "A Corregedoria Nacional de Justiça, órgão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), está realizando inspeções em diversos tribunais estaduais, trabalhistas, federais e militar para verificar movimentações financeiras atípicas de magistrados e servidores.
 
A decisão foi tomada a partir de informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), encaminhadas à Corregedoria, apontando a existência de operações atípicas, embora não necessariamente irregulares, em 22 tribunais.

A equipe de inspeção, auxiliada por técnicos do Tribunal de Contas da União, vai verificar a compatibilidade das movimentações financeiras e da evolução patrimonial com os rendimentos dos magistrados e servidores.

As investigações são sigilosas e têm como destino os Tribunais de Justiça da Bahia, de São Paulo, do Rio de Janeiro, do Distrito Federal e Territórios, de Minas Gerais, do Pará, da Paraíba, do Maranhão, do Acre, do Amazonas, de Roraima e do Espírito Santo; os Tribunais Regionais do Trabalho das 1ª, 3ª, 6ª, 10ª, 12ª, 13ª, 14ª e 15ª Regiões.

Serão também inspecionados o Tribunal Regional Federal da 1ª Região e Tribunal de Justiça Militar de São Paulo.

A Corregedoria Nacional de Justiça esclarece, entretanto, que movimentações atípicas não significam a existência de ilegalidade, já que o magistrado pode ter recebido créditos salariais ou herança e prêmios de loterias. O objetivo da inspeção, portanto, é esclarecer as aparentes incoerências apontadas pelo Coaf, adotando as medidas necessárias para corrigir eventuais desvios dos magistrados.

Estão sendo verificadas informações relativas ao período de 2006 a 2010". 
 
 Fonte: http://www.espacovital.com.br

IPE

É incrível, mas é verdade: os funcionários do Quadro Geral do Estado estão há vários anos sem que lhes seja reposto sequer a inflação, mas, por incrível que pareça, passaram a pagar um aumento nas consultas médicas pelo IPE de até 50%, dependendo da categoria. Hoje fui consultar e, para minha surpresa, tive de pagar a consulta com um aumento de 38%. E tudo aumenta. Meses atrás veio o desconto no cheque de pagamento do aumento para a Associação dos Funcionários Públicos. Acho justo, só que o governo tem obrigação de reajustar os vencimentos de todas as categorias, pois, para quem recebeu reajuste, este aumento nas consultas médicas não representa muito, mas para quem não recebeu, representa muito.

Guilherme Sta. Helena, Porto Alegre

Fonte: Correio do Povo 09dez2011

Governo anuncia novas vagas na PF




Mais 2,8 mil agentes serão utilizados no policiamento de áreas de fronteira


O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, anunciou ontem que devem ser contratados no próximo ano 1,5 mil novos policiais rodoviários federais e 1,3 mil policiais federais. A maioria deles deve trabalhar nas fronteiras brasileiras - que envolvem 710 municípios. O anúncio foi feito durante a assinatura dos termos de adesão de 11 estados ao Plano Estratégico de Fronteiras. O programa possibilitará o acesso a recursos de R$ 37 milhões para investimentos em segurança e é coordenado pelo Ministério da Justiça em parceria com o da Defesa.

Enfrentar e coibir o tráfico de armas e de drogas provenientes dos países vizinhos é o principal objetivo do Plano. Todos os estados da federação envolvidos já apresentaram seus projetos de integração de trabalho, que estão sendo analisados. A ação contará com as Forças Armadas e com as polícias Federal, Rodoviária Federal e estaduais.

Atualmente, duas operações permanentes atuam nas fronteiras do país: a Operação Sentinela e a Ágata. Segundo Cardozo, os países vizinhos têm respondido positivamente aos planos do Brasil de combate ao tráfico e a outros atos ilícitos. Ele destacou que a presidente Dilma Rousseff encarregou o Ministério da Justiça de outros grandes projetos prioritários: a reforma do sistema penitenciário - que deverá envolver recursos de R$ 1,1 bilhão e criar mais 60 mil vagas até 2014 - e o Plano de Enfrentamento do Crack, com recursos de mais de R$ 4 bilhões. Além do Rio Grande do Sul, assinaram o termo de adesão Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina.


Fonte: Correio do Povo 09dez2011