PREVISAO DO TEMPO

sábado, 24 de setembro de 2011

Caça ao umbigo

O umbigo é uma cicatriz. Está no dicionário. E cicatriz é a marca deixada por uma ferida. Também está lá, no dicionário. Pode conferir. Talvez, por isso, tenha se espalhado o boato de que Deus anda repensando a sua criação mais complexa. E, caso o mundo acabe mesmo em 2012 e tenha que fazer tudo de novo, repetirá o homem como a sua imagem e semelhança. É. Mas sem umbigo.

O ser humano perde o foco por causa do umbigo. Impressionante. Deturpa a visão. Puxa para si, como um ímã. Depois que se acostuma a olhar para o próprio umbigo, o sujeito não quer enxergar mais nada. Não quer saber de coisa nenhuma. Só do umbigo. Ele é a fonte de todas as razões, de uma moral aparentemente incompreensível para os demais, de uma nova ética. Esconde em si todas as justificativas. Em nome do umbigo, se desacredita, se desnorteia, se descarrila. Se faz e desfaz, se refaz o malfeito. Bem-feito.

Perguntaram-me se eu considerava este ou aquele grupo culpado pela história de corrupções que nunca muda. Ou pelo descaso com saúde, educação, segurança pública e todo o elenco de garantias fundamentais do cidadão. Respondi, foram os umbigos. A concepção de Estado para administrar o todo é boa. As corporações públicas são boas. Os servidores públicos são bons. Os umbigos é que atrapalham.

Em que momento um policial passou a valer pouco para seus governos? No dia em que um deles, ou um grupo deles, perdeu o foco. E passou a vislumbrar apenas o seu umbigo. Aí, se perdeu o valor coletivo. A força institucional. O poder de transformação e posicionamento. Que quando o homem se perde no seu próprio umbigo, vende seu passe mais barato. Nem lembra mais que existem outros. E outros umbigos surgem. E se chocam. Aí, as novas feridas se abrem, coletivas. Bem mais difíceis de cicatrizar.

Talvez esteja aí uma boa saída para a recuperação da dignidade por parte das corporações policiais. Caça aos umbigos. Agora. Já. Sem umbigo para olhar, os humanos voltarão a pensar no coletivo. É isso. Decretem os umbigos foragidos. E prendam-nos! Mas, cuidado, eles se escondem muito bem. E ainda seduzem.

Por: Oscar Bessi Filho

Fonte: Correio do Povo de 25set2011

Governo, alarmado, reage aos atentados, mostra o que investiga e levanta suspeitas, mas ameaças prosseguem

Depois de 40 dias sem dizer coisa com coisa e escamoteando informações, o governo estadual finalmente forneceu algumas explicações sobre os atentados que ocorrem em todo o Estado. Pelo menos um dos líderes das barreiras de fogo, o sargento Lilica, de Alvorada, "petista, olivista, gay assumido e casado com uma lésbica", assumiu a participação nas ações de confrontação. O incidente desta sexta-feira nas barbas do próprio Palácio Piratini, obrigou o governo a vir a público para dar satisfações. Disse o governo do Estado:


 
- As simulações de bombas e agora bananas cde dinamites de verdadei, além da queima de pneus em espaços públicos e rodovias são ações criminosas praticadas por quadrilhas com o objetivo de atingir o Governo e desestabilizar a segurança pública no Rio Grande do Sul. A afirmação foi feita pelo secretário da Segurança Pública, Airton Michels, pelo assessor especial do Gabinete do governador, Flávio Koutzii, e pelo comandante-eral da Brigada Militar, coronel Sérgio Abreu, durante coletiva à imprensa, no final da tarde desta sexta-feira (23), que contou, ainda, com a presença do secr etário adjunto da SSP, Juarez Pinheiro. O coronel Sérgio Abreu informou que 40 pessoas suspeitas já foram ouvidas e 26 inquéritos já foram instaurados para apurar a autoria desses crimes. Acrescentou que as investigações já contam com o apoio do Ministério Público.

Airton Michels explicou que está sendo feita uma investigação extremamente rorosa para a apuração dos delitos. Acrescentou que essas ações deixaram vestígios, apesar de dificultar o flagrante. "Quem participou ou está participando desta organização criminosa será punido de uma forma mais severa, pois esses atos se configuram como formação de quadrilha". Apesar de não divulgar nomes, o secretário disse que há indícios de que entre os envolvidos, alguns têm ligações com brigadianos e outros, não. Flávio Koutzii argumentou que, justamente quando a proposta de reajuste salarial do Governo foi aceita pelos cabos e soldados, ocorreu uma reação mais agressiva, com a colocação de um artefato simulando uma bomba. "É muito provável que esse tipo de ação obscura tenha motivação de interesse político contrário a um governo democrático e, caso isso se confirme, o mesmo será encaminhado ao Ministério Público".


- Embora o governo nada informe, além do boneco fardado de brigadiano, de bananas verdadeiras de dinamite e do celular com um detonador, um bilhete ameaçador foi encontrado no local - com ameaças e um endereço. Repórteres de jornais, rádios e TVs passaram o dia todo atrás do bilhete, mas a Brigada não quis falar do assunto. A Brigada está sendo pressionada fortemente para identificar culpados. A autoridade de Tarso Genro como comandante em chefe da Brigada está sendo desafiada diariamente e ele não sabe como reagir.
 
Fonte: Polibio Braga

A culpa é do sofá


No imaginário popular existe uma história sobre o marido traído, que numa conversa de bar, usando de toda a sua valentia, relata aos amigos que ao chegar em casa e flagrar sua esposa com outro homem no sofá tomou uma atitude trástica para resolver o problema.
Os amigos, de olhos arregalados perguntam: matou o amante? No que o valentão responde: Não, queimei o sofá!
Correu no Twitter hoje (23/09/2011) uma notícia de que o Governador do Estado do Rio Grande do Sul estaria desgostoso com o Serviço de Inteligência da Brigada Militar que até agora não teria identificado os responsáveis por protestos contra os baixos salários dos policiais militares e estaria pensando em mudar a Inteligência.
Estes protestos que magoam o Governador são conhecidos como a “queima de pneus”, em que, de forma bem organizada, em localidades diferentes e bem distantes uma das outras, manifestantes misteriosos queimam pneus em rodovias (na maioria rodovias federais) ou penduram bonecos fardados em passarelas.
Já me manifestei nas redes sociais dizendo que não acredito que estes protestos estejam sendo executados por policiais militares por dois motivos óbvios: (1) falta de tempo – quando o brigadiano não está de serviço está no “bico”, e (2) desunião, a classe não é nem um pouco unida para levar a cabo uma manifestação nestas proporções e com este grau de organização e planejamento.
Mas nesta história toda, o que me chama a atenção é a postura adotada pelo Governador.
Pelas mensagens no Twitter, o descontentamento do Governador provocou, ou provocará uma mudança na Inteligência da Brigada Militar, em especial na espetacular e competentíssima Agência Central de Inteligência, onde seus Agentes, com poucos recursos mas grande preparo, fazem verdadeiros milagres em prol da Segurança Pública sem que haja nenhum tipo de reconhecimento, afinal de contas, Agente Secreto não se mostra, e por não se mostrar é indigno de receber um mero “muito obrigado”.
Acho que está na hora de alguém dizer para o Sr. Governador que ele não entende nada de Inteligência, e que se ele tomar alguma atitude contra a Inteligência da Brigada Militar ele estará cometendo crime de improbidade administrativa; além de estar agindo contra a ideologia de seu próprio Partido Político.
Da improbidade administrativa
Constitui ato de improbidade administrativa (art. 11, Inc. I da Lei Federal 8.429/92) praticar ato visando fim proibido em lei ou regulamento ou diverso daquele previsto, na regra de competência.
Sendo assim, se o Sr. Governador do Estado ou o Sr. Comandante Geral da Brigada Militar, se deram ordem para que a Inteligência investigue e descubra quem são os manifestantes, estarão agindo contra a lei, em especial o art. 125, parágrafo único da Constituição Estadual que diz que o Estado só poderá operar serviços de informações que se refiram exclusivamente ao que a lei defina como delinqüência (leia-se: crimes).
Posso estar enganado, mas manifestações sociais não são crimes. Nem mesmo o bloqueio de vias é crime, existe até um projeto de lei para tipificar como crime o bloqueio de rodovias, mas ainda não é crime. O art. 95 do CTB somente diz que não se pode interromper o fluxo das vias, mas não tipifica como crime ou infração.
Nos protestos, não há notícia de nenhum dano causado ao patrimônio privado, e se houvesse, é uma ação penal privada por força do art. 167 do CPB, logo, nem o Sr. Governador, nem o Sr. Comandante Geral teriam competência legal para investigar o delito.
De qualquer forma, não há dúvidas que os protestos são movimentos sociais protegidos pela Constituição Federal, logo, É TERMINANTEMENTE PROIBIDO PARA QUALQUER SERVIÇO DE INTELIGÊNCIA INVESTIGAR OU MONITORAR AÇÕES DE MOVIMENTOS SOCIAIS, o Governador Tarso Genro não sabe disso?
Do conflito ideológico
A proteção aos movimentos sociais foi uma garantia conquistada em muito pela Esquerda, da qual faz parte o Partido dos Trabalhadores, da qual faz parte o Governador Tarso Genro e o Comandante Geral da Brigada Militar.
Manifestações e protestos são garantias fundamentais, das quais o Estado, deveria ser o primeiro a proteger, e não combater. O art. 3º, Inc. III da Constituição Federal estabelece uma obrigação ao Sr. Governador: “reduzir as desigualdades sociais”. Não é isso que se busca com os protestos? Reduzir uma desigualdade social?
Quem está descumprindo a lei é o Governo, e não os manifestantes!
Toda a história, conquistas, e vitórias do PT foram obtidas com muito suor e luta em protestos e manifestações de classes menos favorecidas. Agora o Sr. Tarso Genro se volta contra tudo isso. É incoerente.
O Estado brasileiro acaba de criar a “Comissão da Verdade” para esclarecer o período nebuloso em que o Estado perseguia aqueles que se voltavam contra o Estado. Esta comissão foi gerida e gerenciada pelo PT. O mesmo PT que hoje no RS, a mando de Tarso Genro, caça manifestantes que lutam por melhores salários. É incoerente.
Pergunto ao Sr. Governador do Estado e ao Sr. Comandante Geral da Brigada Militar: o que vocês vão fazer se identificarem os manifestantes? Vão prendê-los? vão processá-los? vão torturá-los? se forem brigadianos vão puní-los? vão tirar-lhes o emprego e o sustento expulsando-os da Brigada? vão fazer o quê?
Quem vocês pensam que são para fazerem isso?
Sr. Governador, deixe de ser o marido valentão, e antes de cometer uma ilegalidade queimando o sofá, peça o divórcio. Honre a história do seu Partido e respeite os seus súditos.

FONTE:   http://fabiorods.wordpress.com/2011/09/23/a-culpa-e-do-sofa/

Fessergs e Sindigeral realizam assembleia por reajuste em 27/09


Recentemente, o governo do Estado concedeu reajuste de 30,81% para os servidores administrativos que exercem suas funções em escolas, deixando os salário de todos os demais colegas congelados.


O Sindigeral entende que tal ato é inconstitucional, motivo pelo qual, com o apoio da FESSERGS, Federação à qual é filiada, ingressou com uma ADIN (Ação Direta de Inconstitucionalidade), protocolada no dia 02 do corrente mês, especificamente contra esse limitador, ou seja, o sindicato não é contrário ao reajuste, somente entende que deva ser para todos.O Sindigeral, em conjunto com a Fessergs, tem outras frentes de luta, como a política. Estão em tratativas com o vice-governador, na busca de um canal de negociação com o governo.Para deflagrar essa campanha por reajuste será realizada uma ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA que ocorrerá no dia 27/09 às 16h30 no auditório da FESSERGS (Rua Dr. Flores, 307 - 4º andar). Na oportunidade, além do reajuste de 30,81%, será discutido um plano de carreira, entre outros temas de interesse dos colegas, o que torna indispensável sua participação dos servidores do Quadro-Geral. 


Tatiana DanieliJornalista Diplomada - MTB 8781

SINDSEPE RS


Campanha Salarial 2011
Traga sua panela e vamos fazer muito barulho
Chega de Injustiça! Reajuste Já e Planos de Carreira com Isonomia! Veja o calendário de preparação do 1º Panelaço.
No dia 27 de setembro, às 11 horas, no Centro Administrativo do Estado, vamos mostrar toda nossa indignação. Traga sua panela e participe do 1º Panelaço dos Servidores Públicos do RS.
O governador Tarso Genro foi eleito com o slogan “DO RIO GRANDE, DO BRASIL E DO MUNDO”. Com esta proposta o Estado deveria crescer junto e no mesmo ritmo do Brasil. Mas, para crescer, o Estado precisa de um serviço público qualificado para atender as demandas da população. Para isso, os servidores públicos não podem receber salários de fome. Os servidores não aguentam mais o arrocho salarial!
Os servidores públicos estaduais lutam para que as profundas distorções salariais e funcionais existentes sejam enfrentadas e corrigidas. Os baixos salários exigem REAJUSTE JÁ! Em especial os milhares que tem o seu vencimento básico abaixo do salário mínimo nacional, afrontando a Constituição Estadual. No estado até mesmo os salários de diversos cargos de nível superior são muito baixos.
O surrealismo dos supersalários
Enquanto isso, supersalários resistem por conta de jeitinhos e de interpretações convenientes aos interessados em assegurar ganhos recordes. Um único funcionário chega a perceber R$ 52.635,98. A média dos supersalários alcança R$ 29,5 mil, totalizando um dispêndio inaceitável de R$ 1,3 milhão por mês com menos de meia centena de privilegiados.
Veja as atividades de preparação do 1º Panelaço:
Quarta-feira - 21/09/11
8h - Panfleteação Sanatório
9h - Reunião Hospital São Pedro
10h - Panfleteação CEVS
13h30 - Reunião IGP
15h - Panfleteação CEVS
Quinta-feira - 22/09/11
9h - Panfleteação Farmácia, 1CRS e 2CRS
12h – Reunião Sanatório
Tarde – Reunião Agricultura
Sexta-feira - 23/09/11
10h - Reunião Lacen 
12h - Panfleteação DAER e IPE
Segunda-feira - 26/09/11
9h - Carro de som circulando pelos locais de trabalho
11h30 - Panfleteação CAFF
Terça-feira - 27/09/11
9h - Saída dos ônibus da Sema e Partenon
11h – Ato 1º Panelaço no CAFF
2º Panelaço: dia 27/10/2011

ABAMF » Reajuste diferenciado: presidente da Associação de Soldados rebate tese de racha na BM

NOTA ASSTBM SOBRE INTERATIVIDADE NO SITE


A interação permitida por este site tem a finalidade congregar a família brigadiana,  em todos  seus níveis, o que não vem acontecendo nas últimas horas, estão prevalecendo comentários desprovidos de racionalidade,  pregando discórdia entre as graduações do nível médio. A Diretoria da ASSTBM não pode compactuar com este comportamento, congregamos todas as graduações do nível médio em nosso quadro de associados, a categoria é uma só, de Soldado a Tenente e deve haver respeito recíproco entre todos.


PORTANTO A INTERATIVIDADE NESTE SITE ESTÁ SUSPENSA TEMPORARIAMENTE ATÉ QUE ESTA CONSCIÊNCIA SEJA RETOMADA







Repercussão na mídia sobre a posição contrária da ASSTBM diante da proposta salarial imposta pelo Governo | ASSTBM

Decisão da ABAMF e Governo NÃO representa a MAIORIA dos servidores de Nível Médio da BM | ASSTBM

“Tenentes e sargentos terão o pior salário do país”, alerta presidente da Associação de Sargentos, Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar. | ASSTBM

Governo entrega reajuste da BM ao Parlamento e anuncia aumento para a Polícia Civil | ASSTBM

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Associação de Cabos e Soldados da Brigada Militar aceita proposta de reajuste de 23,5% | Geral

Será verdade?

Decisões sinalizam para ''racha'' na BM


Associações da BM foram recebidas por representantes da Casa Civil 
Crédito: ARTHUR PULS
Um racha entre os servidores de nível médio da Brigada Militar pode ocorrer antes mesmo da reunião com o governo para discutir o aumento à categoria. Enquanto a Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da BM (ASSTBM) decidiu, ontem, rejeitar a proposta de reposição salarial apresentada pelo governo do Estado, a Associação Beneficente Antônio Mendes Filho (Abamf), que congrega soldados e cabos, aceitou o índice de reajuste.

O presidente da ASSTBM, Aparício Santellano, disse que as assembleias realizadas na Capital e no Interior mostraram que os servidores não estão satisfeitos com a proposta do governo, por não atender às necessidades da categoria. Santellano apontou que um dos principais pontos de discussão é o escalonamento proposto pelo Executivo. "Ou todos recebemos percentual igual, ou então será nada", frisou, sem descartar a possibilidade de continuidade - e até intensificação dos protestos, como vêm ocorrendo nas últimas semanas no RS.

O Estado propôs 18% aos sargentos, 11% aos tenentes e aumentos proporcionais entre esses dois índices para as funções intermediárias. Propôs ainda ampliar o número de vagas para promoções até 2.800, sendo 700 ainda em 2011; 700 em 2012; 700 em 2013; e 700 em 2014. O governo também manterá as negociações sobre a matriz salarial da categoria visando o reajuste a ser concedido em 2012.

Um soldado com 21 anos de BM, que pediu para não ter o nome divulgado, disse que os soldados e cabos têm que aceitar a proposta do Piratini. "Em breve, os oficiais e os delegados de Polícia começam as suas campanhas salariais e corrermos o risco de ficar para trás", ressaltou.

Um sargento, que na tarde de ontem participava do policiamento ostensivo, pensa exatamente o contrário. Para ele, tem que haver uma união da categoria para alcançar um índice maior. "Não podemos ficar lutando entre nós, a hora é de união", ressaltou.

FONTE: Correio do Povo de 22set2011

A fotografia acima é da FERPMBM-RS cujos entidades filiadas são as associações independentes, sem vínculo direto com ASSTBM e ABAMF. 

PMs do Interior fazem protesto

Um grupo formado por PMs da ativa e inativos e seus respectivos familiares esteve mobilizado ontem em frente ao Palácio Piratini. O ato, organizado pela Federação das 22 Associações Regionais Independentes da Brigada Militar (FERPM-RS), marcou mais um capítulo no embate envolvendo entidades representativas de servidores da corporação e o governo do Estado. Buscando mais espaço nas negociações, dirigentes da federação foram recebidos por representantes da Casa Civil, no Palácio Piratini.

O movimento tem como objetivo dar voz às associações, em especial às do Interior, sobre as negociações com o Executivo. Por intermédio do protesto, os PMs demonstraram à sociedade a situação crítica em que vivem. Em relação às outras entidades que estão negociando a reposição salarial, a federação tem posições contrárias - o que reforça a necessidade de ampliar o debate. Os servidores querem reajuste imediato de 25%, de maneira linear e não parcelado. Além disso, esperam que o governo apresente uma política de reajuste até 2014, fazendo com que o salário básico fique em R$ 3,2 mil, como foi prometido pelo então candidato Tarso Genro.

FONTE: Correio do Povo 22set2011

Correio do Povo | Notícias | Oficiais da BM pedem equiparação salarial de capitão com delegado

Professor: piso nacional deve passar para R$ 1.384 em 2012 | Jornal Correio do Brasil

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Correio do Povo | Notícias | Policiais militares realizam protesto em frente ao Palácio Piratini

Associação de Sargentos, Subtenentes e Tenentes da BM rejeita proposta do Governo | Geral

Brigada avalia proposta do governo


Policiais fizeram manifestação durante o Desfile Farroupilha

Crédito: ARTHUR PULS

Policiais fizeram manifestação durante o Desfile Farroupilha

Crédito: ARTHUR PULS

A questão salarial dos funcionários de nível médio da Brigada Militar terá mais um desdobramento hoje à tarde, durante reunião entre a Associação Antônio Mendes Filho (Abamf), dos soldados, e da Associação dos Sargentos, Tenentes e Subtenentes da BM (ASSTBM). Ambas fizeram assembleias nas suas regionais e a decisão sobre a proposta deve ser apresentada hoje à tarde ao Governo. Os sargentos, tenentes e subtenentes devem rejeitar a proposta, pois ela não é linear.

A ASSTBM divulga hoje o resultado das suas 13 assembleias. O presidente da instituição, Aparício Santellano, adiantou que a rejeição é grande, em função de haver aumentos diferenciados. A Abamf, até a última sexta-feira, tinha aprovado a proposta em seis regionais do interior, e rejeitado uma na Capital.

Durante o Desfile Farroupilha, com a presença do governador Tarso Genro, ocorreram manifestações dos PMs. A Associação dos Oficiais da BM entregou uma carta aberta a Tarso afirmado que os oficiais não têm envolvimento com os protestos no RS.

FONTE: Correio do Povo 21set2011



terça-feira, 20 de setembro de 2011

Realmente, é preciso coragem!

Amigos... Colegas, Irmãos de farda da Brigada Militar, durante esses anos todos tenho acompanhado as "lutas" com os governantes, ainda tenho viva as imagens em minha memória das antigas lideranças, posso até citar "sem precisar fonte de pesquisa", alguns fatos de destaque, os movimentos marcantes, os panelaços e acampamentos na frente do palácio liderados pela Claudete Valau, as greves de fome realizadas uma vez por aquele "Ex Colega" (que depois se elegeu e na minha opinião pessoal nada fez pela categoria) outra vez pelo Sgt Valau que também foi batalhador, lembro também de outros que fizeram algumas proezas como vender coturnos e apitos na esquina democrática, bem como outros que chamaram o Governador de chupa-cabras (lembram?), e aquele que subiu na mesa dos Deputados dentro do Plenário da Assembléia Legislativa FARDADO e levantava com orgulho o cinto de bombeiro, amigos acompanhei tudo isso e sei que vocês também acompanharam, todos merecem seus créditos, até aquele já falecido que foi taxado de traidor da categoria e foi julgado por "aliados" e condenado sem ampla defesa, você e todos que fazem parte dessa história sabem de quem estou falando, pois muitos que se diziam "aliados" entraram lá no palácio para negociar e concordaram com o que foi proposto, mas quando se deram por conta que o que foi oferecido não agradou a categoria... tiraram da reta e deixaram o peso do fardo nas costas de um só (bando de traíras covardes), abandonaram e ainda por cima acabaram com a credibilidade do movimento e todos que abrem a boca pra falar nunca tiveram a coragem de se retratar e dizer "erramos, fomos injustos" eu tenho essa coragem, pois eu estava lá e presenciei tudo.





O texto acima é de autoria do meu amigo e colega de profissão Marco Antonio Alves Rodrigues 1º Sgt da Brigada Militar e está sendo publicado com autorização do mesmo.

O título tomei a liberdade de colocar.

Policiais Militares aproveitam o desfile Farroupilha para protestar.


 Apesar da manhã com chuva fria acompanhada de vento, na Avenida Edvaldo Pereira Paiva Policiais Militares e familiares portavam faixas com frases alusivas aos baixos salários da Brigada Militar. Segundo o Comandante Geral, Sérgio Abreu a manifestação foi válida porque não havia anonimato. A manifestação teve apoio da FERPMBM-RS, o autor do blog participou como convidado.



Amanhã teremos Assembléia Geral na ASSTBM, estarei lá.

Bombeiros querem desvincular da Brigada Militar.


Os Bombeiros Militares prosseguem na luta pela desvinculação da Brigada Militar. Portando faixas fizeram manifestação pacífica e ordeira no desfile em comemoração à Semana Farroupilha. Distribuiram panfletos e colheram assinaturas da população que viu com bom grado a iniciativa. Acompanhei de perto parte da coleta de assinaturas e ouvi os comentários de aproximadamente 100 pessoas, todas favoráveis ao desvinculamento.




PANFLETO DISTRIBUÍDO PELOS BOMBEIROS NO DESFILE FARROUPILHA

No panfleto em tela existem razões pelas quais os Bombeiros querem se desvincular da Brigada Militar.

Correio do Povo | Notícias | Assembleias no Interior indicam rejeição da BM à proposta

BM aumenta pressão contra o governo


Leonel Lucas, da Abamf, defende aumento linear<br /><b>Crédito: </b> PEDRO REVILLION
Leonel Lucas, da Abamf, defende aumento linear
Crédito: PEDRO REVILLION
Insatisfeitos com a proposta apresentada pelo governo do Estado para a reposição salarial, os servidores da Brigada Militar devem ampliar a pressão contra o Executivo. Uma assembleia realizada pela Associação Beneficente Antônio Mendes Filho dos Servidores de Nível Médio da BM (Abamf/BM) discutiu o assunto e decidiu que só aceitará a proposta caso ela seja linear - ou seja, igual para todos, o que inclui de soldados até tenentes. No entanto, ainda estão sendo realizadas assembleias em algumas regiões para que haja uma posição única da categoria, evitando assim rupturas.
A Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar (ASSTBM) também realizou ontem diversas reuniões no Interior. A avaliação final sairá nesta quarta-feira, em uma assembleia geral que ocorrerá em Porto Alegre. Conforme o presidente da ASSTBM, a principal reivindicação é "contra a manobra" do governo em querer dividir a categoria, promovendo reajustes diferenciados.

A última proposta apresentada pelo Estado prevê a substituição da concessão de abono por reajuste, no valor de R$ 91,00 sobre o vencimento básico da categoria, dividido em duas etapas - em outubro de 2011 e abril de 2012. No caso do soldado, o reajuste acumulado será de 23,5%, e no caso do 1 tenente, de 10,5%. As funções intermediárias receberão aumentos proporcionais entre esses dois índices.


FONTE: Correio do Povo de 20set2011

Amanhã, a federação que reúne as 22 associações independentes da Brigada Militar fará uma mobilização em frente ao Palácio Piratini, a partir das 10h. Segundo o presidente da entidade, João Carlos Duarte Domingues, a intenção é reivindicar do governo a apresentação de uma proposta justa de reajuste salarial à categoria.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Governo propõe aumento de R$ 91 sobre o salário básico dos policiais civis | Geral

GRAVATAÍ SE MANIFESTA EM RELAÇÃO AO PIOR SALÁRIO ENTRE AS POLICIAS MILITARES DO BRASIL.

Quem circulou na tarde de domingo por Gravataí, ao chegar nas proximidades da RS 118 se deparou com os outdoors das fotos em tela, os quais foram inteligentemente colocados em área particular.


Parabéns ao mentor, pois é uma forma inteligente de se manifestar em relação aos baixos salários da Brigada Militar.

domingo, 18 de setembro de 2011

OFICIAIS E DELEGADOS ACORDO A CAMINHO - PÁGINA 10 | ROSANE DE OLIVEIRA - ZERO HORA, 17/09/2011

No início da tarde de segunda-feira, o governo deverá receber a informação oficial de que os servidores de nível médio da Brigada Militar aceitam a proposta de reajuste salarial oferecida. O fim de semana será marcado por assembleias regionais, mas a Associação Beneficente Antonio Mendes Filho (Abamf) já comunicou ao chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, e ao comandante da Brigada Militar, coronel Sérgio Abreu, que a proposta foi bem recebida. Nem poderia ser diferente: o governo, depois de oferecer o abono de R$ 300, concordou em dar reajuste de 23,5% para os soldados. Os demais servidores de nível médio terão aumento de 10,5% a 18,15%.

Vencida essa etapa, o governo terá de dar uma resposta à sociedade, caso continuem os protestos violentos, com queima de pneus e interrupções de ruas e estradas. A demora em identificar a autoria faz crescer no cidadão comum a sensação de que a Brigada e a Polícia Civil são incapazes de identificar os autores das ações ou estão protegendo a identidade dos responsáveis. Sendo a Brigada uma instituição militar, os protestos que ocorrem durante a madrugada deveriam ser tratados como motins.

O fato de os tumultos terem continuado mesmo depois da apresentação da proposta que agradou aos dirigentes regionais da Abamf sugere que não são os soldados os responsáveis pela queima de pneus. O governo está, de certa forma, de mãos amarradas: se quem está à frente dos protestos são brigadianos aposentados, não há como puni-los. Se os protestos continuarem mesmo depois de fechado o acordo com soldados, sargentos e tenentes, ficará a dúvida se os atos são provocados por militares de patentes mais altas – provavelmente inativos – ou por adversários políticos do governo, interessados em promover a desestabilização.

Na próxima etapa, o governo terá de administrar a pressão de dois grupos poderosos que atuam na área da segurança: os oficiais da Brigada Militar e os delegados de polícia. O Piratini já avisou que não tem como equiparar os salários dos delegados aos dos procuradores do Estado porque isso significaria dobrar o valor dos pagamentos.

!

Uma das reclamações mais frequentes entre os brigadianos é de que o PT, quando estava na oposição, defendia a emenda constitucional que cria o piso nacional para os PMs, em valor igual ao do Distrito Federal, e agora, no governo, mudou o discurso.


ALIÁS

A oposição dos governadores da maioria dos Estados impedirá que o Congresso aprove a emenda que daria aos policiais militares um piso justo, mas incompatível com a realidade das finanças.

Associações independentes farão manifestação na Capital em defesa de um índice único de reajuste