PREVISAO DO TEMPO

domingo, 22 de janeiro de 2012

Governo diz que abismo salarial diminuirá

Expectativa é de valorização da categoria
Em reunião realizada no início da tarde de 17 de janeiro, no Palácio Piratini, envolvendo ABAMF e Governo Estadual, ficou definido que a correção salarial na BM terá como referência o salário dos coronéis. A proposta e os percentuais serão debatidos nas próximas reuniões que definirão os reajustes dos brigadianos. O Executivo está disposto a construir um calendário juntamente com a representação dos servidores de nível médio da BM.

Se do lado da ABAMF havia dois representantes, o presidente Leonel Lucas, e o secretário-geral, Ricardo Agra, da parte do governo estavam o secretário da casa civil, Carlos Pestana, o secretário da segurança pública, Airton Michels, a secretária-adjunta da casa civil, Mary Pelusso, o secretário-adjunto da SSP, Juarez Pinheiro.A questão dos  números ou índices que corrigirão os vencimentos serão debatidos nas próximas rodadas da negociação. O governo reafirmou que a segurança pública é prioridade.

Os representantes dos militares estaduais aproveitaram para alertar o governo sobre o equívoco na correção das diárias da Operação Golfinho. Os salva-vidas que atuam em Porto Alegre não tiveram as diárias reajustadas. O assunto já havia sido encaminhado pela ABAMF e o secretário Pestana agiu de imediato, a fim de corrigir a injustiça  com os salva-vidas que atuam nas praias de Belém Novo e Lami, sendo deslocados do interior do estado.

Outro assunto que esteve em pauta foi a correção dos salários do CVMI. Atualmente, os brigadianos, que retornaram a atividade percebem R$ 519,20, menos que o salário mínimo nacional de R$ 622,00. Leonel Lucas lembrou também ser necessário tratar da questão do RDBM – Regulamento Disciplinar da Brigada Militar. O governo reconheceu que o assunto está pendente e deve ser um dos pontos a serem debatidos nos encontros posteriores.

A ABAMF aguarda uma  nova reunião onde será apresentado a  definição do índice de reajuste dos militares estaduais.  

Paulo Rogério N da Silva
Jornalista  ABAMF

Nenhum comentário:

Postar um comentário