PREVISAO DO TEMPO

sábado, 9 de junho de 2012

Militares promovem caminhada pela paz

Sargento Teobaldo Violência que atinge a capital alagoana também vitimiza policiais

Foto: Asse

Sargento Teobaldo

 
Os militares alagoanos realizam, na próxima quarta-feira, 13, às 15h, uma caminhada pela paz no Centro de Maceió. A intenção é pedir ações de combate à criminalidade em Alagoas.
O ato público foi motivado pelas frequentes mortes de policiais militares em Alagoas e pretende chamar a atenção da sociedade para o descaso com a segurança pública.
A passeata está sendo promovida pela Associação dos Subtenentes e Sargentos Militares de Alagoas (ASSMAL) em parceria com as demais associações militares (ASSOMAL, ACS, ARPMAL e ASPRA).
Segundo levantamentos realizados pela ASSMAL, nos primeiros seis meses deste ano, 10 policiais foram mortos em Alagoas. “A violência que atinge toda sociedade, agora, bate na porta dos agentes de segurança pública. Foram vários policiais mortos este ano e não podemos aceitar tal situação. Queremos que o Governo trabalhe para que o problema da violência seja resolvido”, disse o presidente da entidade, sargento Teobaldo de Almeida.
No ato público, os policiais também pedem a aprovação dos projetos de fixação de carga horária em 36 horas semanais e implantação do Serviço Extra Voluntário (SEV), que prevê o fim dos famosos “bicos” realizados para empresários. Além disso, eles querem a reformulação do Código de Ética da PM.
“Não podemos mais perder militares para a criminalidade. Nossos heróis estão vulneráveis com os ‘bicos’ e ainda são explorados por empresários, que pagam entre R$15,00 e R$20,00 por oito horas de trabalho. Na tentativa de oferecer uma vida digna para sua família se submetem aos bicos. No nordeste, apenas Alagoas e Piauí ainda não aderiram ao Serviço Extra Voluntário”, afirmou Sargento Teobaldo.
A concentração do ato público está marcada para as 14h30 no Centro de Maceió (em frente ao antigo Produban).
Policiais mortos em Alagoas
Em seis meses, dez policiais são mortos em Alagoas. O levantamento realizado pela ASSMAL aponta os crimes realizados contra policiais da ativa, reserva e reformados.

Também foram consideradas as mortes de dois policiais militares dos estados de Sergipe e Pernambuco, assassinados em cidades alagoanas.
O primeiro crime aconteceu no dia 16 de janeiro quando o cabo da PM, Cícero José Cordeiro dos Santos, 45, foi executado com pelo menos dois disparos de arma de fogo no Loteamento Porto Seguro, em Arapiraca.
Na quarta-feira, 18 de janeiro, pai e filho foram assassinados na cidade de Rio Largo. Uma das vítimas era o cabo da Polícia Militar de Pernambuco, Genival Brito da Silva, 50 anos. O policial fazia a escolta do filho, que já havia sofrido um atentado, quando foi perseguido por criminosos armados. As vítimas seguiam de moto no momento em que foram mortas.
Outro crime contra aconteceu no dia 14 de fevereiro. O sargento da reserva da PM, Jorge Carlos Pereira Rodrigues, 55, também foi morto a tiros. Ele foi atingido pelos disparos ao deixar uma agência bancária na Avenida Fernandes Lima, no Farol.
O soldado Valter de Sá Carvalho, de 32 anos, foi à quarta vítima da violência. O policial estava em um micro-ônibus voltando do serviço no 10º BPM quando foi morto por assaltantes que tentavam roubar o transporte complementar ao qual o PM viajava. O crime aconteceu na cidade de Atalaia em 15 de março.
No dia 28 de março, o sargento da Polícia Militar, Cícero Soares de Melo, 48 anos, foi assassinado a tiros no bairro de Santa Lúcia. O militar foi executado com vários tiros e os criminosos ainda levaram a arma do policial, uma pistola 380. No dia do crime, ele estava de folga da PM e fazia “bico” para panificações na região.
Cinco dias depois, o tenente da reserva, Manoel Cavalcante da Silva, 56, morreu durante um assalto a um ônibus da empresa Real Alagoas, que fazia a linha Maceió/Arapiraca. Ele voltava para sua residência em Arapiraca e teria reagido ao assalto. O caso aconteceu em um trecho da AL – 220, em São Miguel dos Campos.
Outro militar foi morto em Alagoas. Desta vez, o crime aconteceu na cidade de Palmeira dos Índios e a vítima foi o cabo da PM Gelvânio Gomes de Aquino, de 49 anos. No domingo, dia 20 de maio, o policial estava na companhia de seu genro, Eudes Basílio Lisboa, 38, em um parque aquático quando foi abordado por dois homens armados. O militar e seu genro foram atingidos pelos disparos e morreram antes mesmo de receber atendimento médico.
Um dia após o duplo homicídio, o sargento reformado da PM, Ary Dias dos Santos, 65 anos, foi vítima de uma suposta saidinha de banco na cidade de Marechal Deodoro. O PM - que fazia segurança em um supermercado da região - teria realizado um saque em dinheiro no Banco do Brasil quando foi abordado por dois homens em uma motocicleta preta. Os acusados efetuaram os disparos, que atingiram a cabeça da vítima. O policial chegou a ser socorrido, mas faleceu, horas depois, no Hospital Geral do Estado (HGE), no Trapiche.
No primeiro dia do mês de junho, Ronildo Santos Alves, 43 anos, foi executado em Olho D’Água do Casado. O cabo da PM de Sergipe estava com um amigo quando foi surpreendido por bandidos armados. Ele não teve chance de reagir aos disparos.
No domingo, 03 de junho, mais um policial é assassinado em Alagoas. O crime aconteceu em um posto de combustível em Chã do Pilar. O militar, que era lotado na 4ª companhia de Atalaia, fazia segurança do local quando foi assassinado.
fonte: Tribuna hoje

Nenhum comentário:

Postar um comentário