PREVISAO DO TEMPO

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Em greve, policiais federais entregam armas e distintivos


Em seu primeiro ato de greve, deflagrada na manhã desta terça-feira, agentes, escrivães e papiloscopistas da Polícia Federal em São Paulo entregaram suas armas e distintivos na sede da Superintendência Regional, na zona oeste da capital. A paralisação ocorre no Distrito Federal e mais 25 Estados do País - os policiais do Rio de Janeiro fariam uma assembleia no início da tarde de hoje para decidir sua adesão ao movimento. A principal reivindicação dos grevistas é uma reestruturação das carreiras, por meio do reconhecimento e remuneração compatíveis com funções de nível superior.

"O primeiro ato da greve foi a entrega simbólica de armas e distintivos, para sinalizar que nosso movimento é pacífico e para mostrar a desmotivação com o governo que vem tratando a gente de forma não amigável", afirmou Alexandre Santana Sally, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Civis Federais do Departamento de Polícia Federal no Estado de São Paulo (Sindpolf-SP).
Segundo ele, o efetivo mínimo de 30% exigido por lei seria mantido, mas serviços como emissão de passaportes, fiscalização de empresas de segurança e escolta de presos seriam prejudicados. "Nossa intenção não é prejudicar, mas vão ocorrer transtornos", afirmou Sally.
Na tarde desta terça-feira, no aeroporto de Guarulhos, na Grande SP, os grevistas fariam uma caminhada junto a funcionários da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do ministério da Agricultura e da Receita Federal. Na quinta-feira à tarde, os agentes fariam operação padrão no mesmo aeroporto. No dia seguinte, uma assembleia decidiria os rumos do movimento.
Serviços afetados
Além da emissão de passaportes e serviços ao público, as operações de combate a quadrilhas da Polícia Federal deveriam ser prejudicadas com a paralisação. "Claro que se uma investigação de um ano tiver apontado para um carregamento de 500 kg de maconha que pode ser apreendido, o trabalho não deixará de ser feito", afirmou Marcos Wink, presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef). Segundo ele, somente as novas operações e investigações menores devem ser afetadas.
A emissão de passaportes, continuou o presidente do sindicato, será feita só em casos de urgência e necessidade, por exemplo quando as viagens para o exterior já estiverem marcadas. As reuniões e entrevistas deveriam ser reagendadas. "O que a gente tem orientado os colegas de sindicatos estaduais é para minimizar o transtorno causado ao público. Temos um bom conceito junto à sociedade, e queremos que eles entendam o nosso problema, não prejudicá-los", afirmou Wink. Serviços como guarda de presos, plantões nas delegacias, segurança em prédios e programas de proteção a testemunhas, segundo ele, seriam mantidos.
Já em fronteiras, portos e aeroportos, os grevistas devem acordar em fazer operações-padrão em horários específicos. No aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, a paralisação parcial seria diária, afirmou Wink. Já em São Paulo, a operação-padrão ocorreria a partir das 16h30 de quinta-feira.
 
 (Terra)

Nenhum comentário:

Postar um comentário